24 de novembro de 2008

Psicólogos do Brasil são proibidos de ajudar a Igreja Católica a filtrar candidatos homossexuais do sacerdócio

Psicólogos do Brasil são proibidos de ajudar a Igreja Católica a filtrar candidatos homossexuais do sacerdócio

Matthew Cullinan Hoffman

BRASIL, novembro de 2008 (LifeSiteNews.com) — O Conselho Federal de Psicologia (CFP) anunciou que proibirá os psicólogos de ajudar a Igreja Católica a evitar candidatos ao sacerdócio que têm tendências homossexuais.

De acordo com um anúncio no site “Psicologia Online”, o CFP decidiu que “os psicólogos não poderão avaliar pessoas para essa finalidade, sob pena de infringirem o Código de Ética da categoria e a Resolução 001/99 do CFP, que estabelece normas de atuação para os psicólogos em relação à questão da orientação sexual”.

A resolução em questão, aprovada em 1999, declara que os psicólogos “não farão qualquer ação que favoreça a patologização de comportamentos ou práticas homoeróticas”.

A mesma resolução declara que “os psicólogos não colaborarão com eventos e serviços que proponham tratamento e cura das homossexualidades” e que “os psicólogos não se pronunciarão, nem participarão de pronunciamentos públicos, nos meios de comunicação de massa, de modo a reforçar os preconceitos sociais existentes em relação aos homossexuais como portadores de qualquer desordem psíquica”.

A decisão, que no Brasil pode ser imposta por lei, poderia dificultar que a Igreja Católica aplique as novas normas do Vaticano para, ao selecionar candidatos ao sacerdócio, remover aqueles que têm “profundas tendências homossexuais”.

O Vaticano anunciou as normas para os exames psicológicos no mês passado numa tentativa de reforçar sua política de séculos, reafirmada em 2005, de excluir aqueles que têm profundas tendências homossexuais. A decisão de 2005 ocorreu logo depois da crise de abuso sexual no clero, a qual envolvia na maior parte padres que abusavam sexualmente de meninos.

Traduzido e adaptado por Julio Severo: www.juliosevero.com

Fonte: LifeSiteNews

30 comentários :

Renato disse...

O conselho de psicologia age de forma política e não científica, não existe nenhuma decisão científica que afirme que o homossexualismo não é doença. Todas as decisões tomanas nesse sentido, são decisões de carater único e exclusivamente político. Tomadas com base na pressão do movimento homo-nazista.

Tanto são decisões de carater politico, e isto pode ser percebido pela próprio letra de quem escreveu a resolução, que tais decisões proibem que se levante a hipotese de que o homossexualismo seja uma anomalia. O que de fato é. Hora onde já se viu uma decisão dita cientifica que proiba a simples proposições de hipoteses cientificas. É incrível como a história se inverteu. Atualmente os paises que mais perseguem a ciência são aqueles que lutam por uma sociedade laicisista. Enquanto que aqueles que são sociedades religiosas, procuram chamar a ciência em auxilio de suas teses. Quem é o obscurantista agora?

Imagine a situação de um gay que decida por conta própria abandonar o comportamento homossexual. Digamos que ele de livre e expontanea vontade conclua que viver tendo proplemas proctológicos não é de forma alguma uma questão de direitos e dignidade humana. E que assim resolva procurar um psicologo com a clara intenção de abandonar o homo-nazismo. O que é que um psicologo deveria dizer para ele:

"- Doutor eu quero deixar de ser gay.

- Ora meu amigo, ser gay não é uma anormalidade, na verdade é uma coisa linda e maravilhosa, um encantamento e uma benção da natureza, o conselho de psicologia já resolveu este enigma, e descobriu e provou esta verdade cientifica.

- Mas doutor, eu não quero, estou enojado disso, vivo tento fissuras e sangramentos anais...

- Ora, coisa da sua cabeça, a sua vida é na verdade maravilhosa, é apenas uma questão de você usar mais lubrificante, passar bem, tchau. O Proximo!"

Sinceramente se eu fosse psicologo até seria a favor dessa resolução, uma vez que é uma resolução que obriga a não tratar gays, e não uma resolução que obriga a tratar. Eu odiaria ter que perder meu tempo escutando um gay falando de seus dilemas e doidices, certamente iria adorar bater a porta na cara dessa gente quando viessem procurar ajuda para deixar de ser gay, simplesmente dizendo: "você esta muito bem, tchau." E aqueles que quisessem ajuda para aceitar o próprio homossexualismo, eu iria simplesmente dizer que basta apenas ser o mais gay possível que tudo se resolve, recomendaria logo a castração (chamada de mudança de sexo), que assim o conflito iria se resolver rapidamente, deixaria o barco correr solto, e ficaria apenas me deliciando vendo ele se aproximar ca cachoeira.

Acho que para um psicologo que não gosta de gays esta resolução é uma benção.

E incrivel como os gays aceitam abrir mão de seus direitos. Se eu considerasse que tenho algum problema psicológico, não iria permitir que ninguem decidisse por mim se tenho ou não um problema, acho que esta é um decisão que cabe apenas a mim próprio, e se é ou não possível superar este problema, esta também é uma decisão que cabe apenas a mim, porque ninguém tem o direito de decidir por mim o que é ou não é possível para o meu próprio beneficio. Assim portanto decidir se é ou não é possível deixar de ser gay, é uma decisão que cabe somente e apenas ao próprio homossexual tomar, em relação a si próprio, e não a uma organização.

Por último queria dizer que os casos de homossexualismo dentro do catolicismo, são culpa sobreduto da própria igreja católica. Se a Igreja Católica revogasse esta absurda, hedionda e demoniaca regra do celibato compulsório, o número de escandalos diminuiria em muito, e ela passaria a deixar de ser um refugio para sodomitas que buscam fugir da própria homossexualidade, não encarando o problema de frete. Isto não é uma doutrina cristã, é apenas uma regra eclesiatica. Eu conheço um ex-padre casado, já idoso e com filhos, gento super boa, isto sim é que é ser normal.

Por outro lado, nada impede o vaticano de utilizar entrevistas on-line, com o canditado sendo examinado por um psicologo no vaticano. Embora eu entenda também que não é necessário um psicologo para detectar um gay, qualquer um com boa visão reconhece um de longe.

Para aqueles que julgaram este texto muito cruel com os gays, saibam que eu não sou cristão, não amo meus inimigos, procuro apenas manter a retidão para com eles (eu tento, não afirmo que consigo), portanto não julguem os cristãos por mim. Me considero confucionista.

marcelo victor disse...

Os quartéis que se cuidem...já devem estar na agenda dos sodomitas.

Anônimo disse...

E DEPOIS DIZEM QUE NÃO EXITE UMA ORGANIZAÇÃO POR TRÁS DE TUDO ISSO.
QUANDO EXPUSERAM OS CRIMES SEXUAIS DE PADRES AMERICANOS, E CLARO, DE OUTROS PAÍSES TAMBÉM, CUPLARAM A IGREJA POR MANTER PADRES ASSIM, AGORA QUE O PAPA QUER COLOCAR ORDEM NA INSTITUÇÃO , NÃO DEIXAM, AFINAL O QUE ESSE PAÍS QUER AFINAL?

Anônimo disse...

o celibato sacerdotal é recomendado por Jesus e também pelo apóstolo Paulo em suas cartas. é Bíblico. "há eunucos que nascem assim, há os que são feitos pelas mãos dos homens e há os que se tornam eunucos por amor ao Reino dos Céus."
A castidade é pedida a todos os estados de vida. Uma pessoa pode viver saudavelmente sem sexo. Digo isso por mim mesma que pratico a castidade desde que me converti à Igreja Católica. Não é por manter a castidade, segundo ordena a Santa Madre Igreja, que me tornarei automaticamente uma pedófila ou lésbica. o mesmo pode se dizer dos padres. há padres e religiosos santos e castos. infelizmente, por obra de uma minoria muito ruidosa, há que se desqualificar dois mil anos de bons serviços sacerdotais prestados em todo o mundo. ninguém é obrigado a ser padre e a manter o celibato. mas a partir do momento que se faz uma escolha, deve-se estar ciente das suas responsabilidades associadas a ela, bem como suas consequências. usar o exemplo de homens desequilibrados para atacar todo o celibato sacerdotal é uma insanidade, pra não dizer cinismo. isso tudo sem contar que há numerosos movimentos de leigos consagrados, que também não se casam, portanto, permanecendo castos (sem sexo) que são imensamente produtivos e úteis para a comunidade. sim, sexo é muito nas nossas vidas.. mas NÃO É TUDO. há gente, muito normal aliás, que consegue viver muito bem sua castidade e a direcionar suas energias e esforços para o bem de sua comunidade.
obrigada sr. Júlio pela atenção e leitura.
abraços
a paz de Cristo.
Maria

Paulo disse...

E contra os pedófilos? A Igreja não vai fazer nada? Porque pode pedófilo e não pode homossexual?

Julio Severo disse...

Paulo, acho que vc não entendeu nada. Nem todo homossexual abusa sexualmente de meninos, mas todos os que abusam sexualmente de meninos são homossexuais. Para mais informações, leia este artigo escrito por mim: http://juliosevero.blogspot.com/2006/04/padres-pedofilia-e-homossexualismo.html

Anônimo disse...

só para constar.. hoje em dia Jesus Cristo seria considerado um sujeito muito perigoso. não se casou (era celibatário), só andava com homens (os apóstolos) e ainda por cima disse: deixai vir a Mim as criancinhas...

ANTÔNIO CARLOS DE OLIVEIRA disse...

Particularmente, não acredito em psicólogos de jeito nenhum. Se psicólogos fossem sérios tinham o poder de receitar remédios. E se porventura algum dia eu apresentasse qualquer desvio de comportamento, recorreria à palavra de Deus ou, no caso de algum desequilíbrio neuro-químico, recorreria a um bom e competente psiquiatra com toda sua prerrogativa de receitar remédio.

Acho eu, que se um homossexual tiver o desejo sincero de levar uma vida de homem de Deus, ele não pode ser impedido por isso. Sendo hetero ou homossexual, seu objetivo será a castidade e o serviço de Deus; sendo que a condição de casto no sacerdócio coloca no mesmo nível as duas sexualidades.

Pessoalmente, acho um absurdo um psicólogo qualquer ter o poder de detectar o nível de viadagem na personalidade das pessoas como se tivesse um bafômetro para viados: dá uma sopradinha aqui para vermos o seu nível de viadagem...

Isso é um absurdo!

Antônio Ahmed Ramadan

marcelo victor disse...

No que se refere ao "celibato", assunto abordado nesta série de comentários (cuja referência da senhora "anônima" é Mt 19:12), creio que o Senhor Jesus, na passagem citada por ela, está esclarecendo que a obra de DEUS é bastante particular e diferente para cada indivíduo (a uns é dado entender os mistérios do Reino dos Céus e a outros não).
Não cabe ao homem julgar seu semelhante, nem muito menos julgar o Criador pelo fato Dele escolher aqueles a quem quer revelar os mistérios do Reino dos Céus.
Nessa passagem bíblica estamos diante de um belo exemplo do mistério da escolha (os "escolhidos" de DEUS) e da Sua multiforme sabedoria, representada na diversidade da criação (Ele criou pretos, vermelhos, brancos, amarelos, altos, baixos, homens, mulheres..tudo de acordo com a Sua soberana determinação, desde antes da fundação do mundo).
O Novo Testamento nos mostra que Pedro era casado e Paulo não, e ambos eram apóstolos do Senhor (escolhidos para o ofício ministerial).
Em outra passagem bíblica, Paulo disse que era bom para o homem que permanecesse como ele (sem mulher), porém mais a frente ele também disse que é melhor para o homem casar-se do que se abrasar.
Um homem não deve impor sua condição própria ao seu semelhante como medida e conduta de fé, transformando-a em doutrina. Mesmo porque a verdadeira doutrina (para os escolhidos de DEUS) já foi estabelecida pelo Espírito de DEUS no Novo Testamento, através dos apóstolos (o que passar disso tem procedência maligna).
Muitos sacerdotes católicos devem se sentir bem com o celibato, podendo vir a ser produtivo para os seus serviços sacerdotais, todavia, para outros sacerdotes essa regra provavelmente deve ser um martírio, contribuindo para os terríveis escândalos que volta e meia são noticiados na imprensa (quando o são) de abuso sexual e pedofilia perpetrados por padres.
A santificação (separação) que o Senhor requer dos “escolhidos”, na minha modesta forma de crer, se refere à renúncia aos costumes mundanos e às condutas que desagradam e ofendem a DEUS, tais como: mentira, roubo, idolatria, fornicação, feitiçaria, ingestão de sangue, ingestão de carne sufocada, prostituição, sodomia, entre outras.
A incontinência, por si só, não levará ninguém ao céu se aquele que a praticar não se abstiver de roubar, mentir, adorar ídolos, fornicar, etc.
Ler a Palavra de DEUS é um recurso importantíssimo e um exercício indispensável para se descobrir aquilo que o Senhor DEUS requer dos seus, aquilo que Ele aprova (recomenda) e aquilo que abomina.
Respeitosamente.

Paulo disse...

Julio: e quanto aos padres que abusam de meninas?

Pais de meninas abusadas por padre pedem audiência com Bento 16

http://www1.folha.uol.com.br/folha/mundo/ult94u422804.shtml

Sinceramente, existe alguma coisa errada aí. Não se vê tantos pastores abusando de meninas, mas as notícias de padres que abusam de meninos e/ou de meninas, não param de crescer. Ainda assim, a Igreja Católica não parece estar fazendo NADA qualquer coisa contra os pedófilos. Repito: tem alguma coisa errada aí!

Anônimo disse...

O Vaticano lançou recentemente o documento " Orientações para o uso das competências psicologicas na admissão e na formação dos candidatos ao sacerdócio"! O documento está disponível no site Zenit.

Anônimo disse...

Recado ao sr. Paulo.

O sr. realmente está mal informado. Quem falou para você que não existem casos de pedófilia envolvendo pastores protestantes?

Está imprensa maliciosa que estão escondendo os casos de pastores pedófilos?

A jogada da mídia mundial foi só mostrar os casos de padres pedófilos e omitir os casos de pastores envolvidos em pedófilia. Só que agora os casos de pastores pedófilos estão vindo à tona, e não vai demorar muito para ver um casos atrás do outro.

Se informe melhor sr. Paulo.

Anônimo disse...

Assim como mandei um recado ao sr. Paulo, quero mandar um outro recado ao sr. Marcelo Vitor.

Realmente sr. Marcelo, o sr. acertou quando disse que São Pedro era casado, mas omitiu o essencial no versículo.

Quando Jesus cura a sogra de São Pedro, a Escritura diz que ela se levantou e serviu à todos. Mas não menciona a esposa de São Pedro! Estranho que ela (esposa de São Pedro) não tenha ajudado no servir.

Já passou pela sua cabeça que São Pedro poderia ser viúvo?

Mas eu vou deixar que o Próprio Jesus mostre como era à favor do celibato.

Em Mt 19:16-24, Jesus diz ao mancebo para aqueles que querem ENTRAR NA VIDA, GUARDAI OS MANDAMENTOS. MAS SE QUERES SER PERFEITO LAGUE TUDO E SEGUE-ME.

Em Mt 19:25-30, Jesus mostra que ele dará tudo para aqueles que deixar tudo: incluíndo-se ai casas, irmãos, irmãs, pai, mãe, MULHER, FILHOS ou terra por amor de meu nome, receberá cem vezes tanto, e herdará a vida eterna.

Eduardo Araújo disse...

Paulo,você afirma que a Igreja Católica nada faz quanto aos padres pedófilos esquecendo de que uma das ações prioritárias do papa na última visita aos EUA foi justamente o de encarar esse problema de frente, recebendo essas famílias, inclusive.

Ocorre, por outro lado, e eu acho que você não considerou o esclarecimento do Júlio ao seu primeiro comentário, que a maior parte - disparadamente - dos casos de pedofilia inclusive de sacerdotes católicos é de vertente homossexual, logo uma determinação do Vaticano para coibir este direciona-se, por extenso, àquele.

Quanto a esse CFP: é o retrato perfeito da hipocrisia de uma entidade de classe.

Como é que podem se referir a patologização do comportamento quando todo o que se posiciona hoje contra o homossexualismo é enquadrado pelo governo petista, pela mídia, e até pelo Judiciário numa pseudo patologia que atende pelo nome de "homofobia"?

E qual, então, a atitude desse conselho frente a um governo que - a título de demonizar os que dele discordam na agenda gayzista - "criou" uma nova espécie de fobia com pré-diagnóstico (o "paciente" nem precisa ser examinado, basta ele dizer um tantinho que seja contra o homossexualismo)?

Quer dizer: para o CFP a patologização de comportamento vale, mesmo quando não fincado em base científica, desde que seja para favorecer as pretensões gayzistas.

Eu teria vergonha, muita vergonha de ser filiado de uma entidade com tamanha inclinação ideológica.

marcelo victor disse...

Sra. Anônima,
As Escrituras Testificam que Pedro era casado e que ele permanecia casado após a crucificação do Senhor, em 1Co 9:5.
Todavia, particularmente, considero esse caso da incontinência encerrado e ultrapassado, pois, como disse em meu comentário, o importante não é a relação íntima entre um casal (a qual possui a benção de DEUS: "venerado entre todos seja o matrimônio e o leito sem mácula"), mas a essência dessa relação: o amor, o respeito, a fidelidade e outros aspectos da vida cristã (obs: tais aspectos são deveres do casado, do solteiro e do viúvo).
A despeito da controvérsia gerada sobre o “celibato”, em cuja doutrina o diabo prende milhões de pessoas até o dia de hoje, existem ainda outros dogmas terríveis da idolatria romana, normalmente ignorados pela sociedade, mas que, de igual forma escravizam a muitos e os afastam de DEUS, mantendo-os debaixo do julgo satânico, tais como: a própria idolatria (abominável diante de DEUS), a inquisição (massacre de milhões de pessoas em nome de DEUS, perpetrado pela seita católica, que deveria ser cobrado dos seus representantes em tribunal internacional), a adoração da Rainha dos Céus, as tais "indulgências" (verdadeira blasfêmia diante de DEUS), o título blasfemo VICARIVIS FILII DEI ou Vigário de Cristo (substituto do filho de DEUS), entre outras aberrações.

Para reflexão de todos: imaginem só se o Senhor Jesus tivesse obrigado seus fiéis a observarem o celibato. Essa prática teria posto um fim na pregação das boas novas de salvação aos confinas da terra e levado à extinção dos cristãos pela falta de filhos, privando-nos inclusive deste diálogo nos dias de hoje.
Respeitosamente.

Paulo disse...

"Paulo,você afirma que a Igreja Católica nada faz quanto aos padres pedófilos esquecendo de que uma das ações prioritárias do papa na última visita aos EUA foi justamente o de encarar esse problema de frente, recebendo essas famílias, inclusive."]

Depois de não sei quantos anos de processo milionários, o Papa faz uma visita e pede desculpa. Bastante enérgica a ação contra a pedofilia, einh?!

Por ser a pedofilia considerada uma doença pelo CFP, os psicólogos poderiam trabalhar em conjunto com a Igreja para tentar barrar os que tenham tendências pedófilas. Mas não, a Igreja foi escolher os homessexuais SABENDO que os psicólogos não poderiam ajudá-la quanto a isso. Se isso não foi a propósito, foi, no mínimo, uma estratégia pouco inteligente.

Roberto Domingos disse...

Marcelo Vitor, diante de tamanha agressão a fé Católica, imagino que pertença a alguma seita de fundo de quintal, sou obrigado a perguntar: O sr. está aqui para comentar o POST ou para fazer proselitismo religioso? Seus comentários insultaram todos os católicos, a Igreja Católica e seu representante máximo aqui na terra, insultos que no mínimo exigem reparação! Vou parar por aqui.

Anônimo disse...

Sr. Marcelo Vitor.

O sr. só está repetindo como papagaio os velhos slogans e sofismas que os protestantes sempre repetiram. Mas eu só quero comentar o versículo que você colocou, e deu uma falsa condição para atacar o celibato. Sim! visto que você utilizou este versículo para confundir.

Quando São Paulo faz esta pergunta em 1Co 9:5 ele apenas diz que ele, COMO OS DEMAIS APÓSTOLOS, tinha o direito de levar consigo uma mulher casada, para ajudá-lo. Não era para cohabitar maritalmente com ele. Se São Paulo, que se disse solteiro, se arrogasse o direito de levar consigo uma esposa, estaria dizendo que tinha o direito de levar consigo uma amante, o que é um absurdo, pois não há direito de fazer isso.

Lembremos sr. Marcelo, São Paulo afirmou que era solteiro e aconselhou os outros a manter-se como ele sem mulher, nesse texto que o sr. citou, a palavra ''esposa cristã'' não significa esposa dele, São Paulo.

Será que São Paulo estaria pregando uma doutrina diabólica?

E os outros demais apóstolos, onde estão as suas ''esposas''? São João, o apóstolo favorito de Jesus, também não era celibatário?

Sr. Marcelo, as Escrituras Sagradas não nos ensina apenas com palavras, mas com exemplos de vida também.

marcelo victor disse...

Sr. Roberto Domingos,
Não tive a intenção de magoá-lo em meus comentários, embora já o tenha feito.
Todavia, entendo que é hora de todos nós refletirmos a respeito das histórias que nos foram contadas quando éramos mais jovens (na idade ou na fé) e até aquelas que nos foram ensinadas pelos nossos próprios pais (sejam eles idólatras, espíritas, satanistas, evangélicos, racistas ou qualquer coisa que o valha).
Não sei se o senhor percebe, mas até as notícias que veiculam nos jornais são extremamente carregadas de tendências próprias de quem as escreveu.
No passado, algumas religiões chegaram até a proibir seus fiéis de manipularem as Sagradas Escrituras, como forma de manter o povo na ignorância e perpetuar-se no poder.
Para não errarmos, é imprescindível que leiamos a Palavra de DEUS (o único caminho, a única verdade e a vida eterna) e principalmente questionemos os dogmas e as doutrinas da fé que abraçamos, independentemente do nome da religião.
Se tal fé contrariar em algum ponto, por menor que seja, as Sagradas Escrituras, então ela não provem de DEUS (o que passar das Escrituras tem procedência maligna).
Se pedirmos a DEUS, Ele nos dará entendimento para compreendermos sua vontade para cada um de nós e luz para ouvirmos o que o Espírito Santo diz às igrejas nas Sagradas letras.

"Portanto deixará o homem o seu pai e a sua mãe, e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne". (Gn 2:24)

Eduardo Araújo disse...

"Depois de não sei quantos anos de processo milionários, o Papa faz uma visita e pede desculpa. Bastante enérgica a ação contra a pedofilia, einh?!"


Enérgica ou não, já é alguma coisa. Mas você deve achar que o reconhecimento público desse problema por um líder religioso em visita oficial ao país de maior proeminência no mundo ocidental, com toda uma mídia politicamente engajada aguardando o menor movimento seu para para descer o sarrafo, significa nada, não é?.


"Por ser a pedofilia considerada uma doença pelo CFP, os psicólogos poderiam trabalhar em conjunto com a Igreja para tentar barrar os que tenham tendências pedófilas. Mas não, a Igreja foi escolher os homessexuais SABENDO que os psicólogos não poderiam ajudá-la quanto a isso. Se isso não foi a propósito, foi, no mínimo, uma estratégia pouco inteligente."


A decisão foi tomada pelo VATICANO e não pela cúpula católica brasileira, portanto não se aplica apenas ao território brasileiro, área de jurisdição do CFP.

Por outro lado, imagine se qualquer decisão do Vaticano prescindisse de análise da repercussão institucional desse ou daquele país. No caso do Brasil, então, com uma parcela considerável do clero envolvida com a Teologia da Libertação, nada que entrasse em conflito com a "moral" socialista do governo seria aprovado. Essa medida, então, logo despertaria a sanha dos caçadores de "homofóbicos" do governo e da imprensa.

Anônimo disse...

Para os protestantes que escreveram que a Igreja Católica distorce as Escrituras.Expliquem-me uma coisa:

Vocês já perceberam que o movimento da Nova Ordem Mundial utilizam os mesmos ''argumentos'' para tentar impor o fim do celibato para a Igreja Católica?

Vocês já ouviram falar das ''católicas'' pelo direito de decidir. E não é que elas utilizam as mesmas desculpas para tentarem acabar com o fim do celibato e colocar até a ''ordenação'' de mulheres.

Sr. Marcelo Vitor as suas acusações como a de outros protestantes que atacaram a Igreja Católica, são os mesmos que a Nova Ordem Mundial querem!

Isso mostra que vocês não estão em boas companhias.

Paulo disse...

Sim. Não se aplica apenas ao território brasileiro.. Se aplica também, por exemplo, à Itália e aos Estados Unidos, onde os psicólogos estão NA MESMA SITUAÇÃO dos psicólogos brasileiros. O que comprova que essa decisão foi apenas para inglês para ver.

Anônimo disse...

Os casos de pedofilia envolvendo pastores protestantes foram omitidos. Mas já estão começando a aparecer. Eu quero saber qual será a desculpa dos protestantes quando surgirem os casos de pastores pedofilos.

O Senador Magno Malta confirmou que desde que começou a CPI da Pedofilia, os casos envolvendo pastores protestantes é muito grande. A mídia não mostra estes casos!

Mais uma hora a casa cai; e eu vou querer saber qual é a desculpa que os protestantes darão para os casos de pastores pedofilos.

marcelo victor disse...

Sra. Anônima,
Agradeço suas corajosas intervenções e citações do meu nome.
Quero dizer a todos que não sou contrário aos votos de castidade, pois, como dizem as Escrituras, “há eunucos que se castram por causa do Reino dos Céus”.
Boa coisa é buscar a consagração a DEUS, porém, Sra. Anônima, essa condição não está em todas as pessoas (entenda que o Senhor DEUS nos fez diferentes uns dos outros).
Quando nos dispomos a fazer um voto diante do Senhor, devemos fazê-lo de coração, e em oculto, e o Senhor, que sabe de todas as coisas e conhece os corações, nos recompensará publicamente.
O problema não está na incontinência, como já disse, mas na imposição e na transformação disso em um dogma, partindo de uma condição própria de uma determinada pessoa, como, por exemplo, o Apóstolo Paulo.
O Senhor DEUS deu a ele aquela condição (de viver sem mulher), porém não ficou estabelecida nenhuma lei a respeito, para obediência de todos, nem muito menos para o sacerdócio.
Tanto no Antigo Testamento como no Velho muitos dos homens de DEUS cumpriram Gênesis 2: 24 (tendo muitos filhos) e não deixaram, da parte de DEUS, nenhuma lei ao contrário (se houve disposição para a incontinência, isso ficou entre cada um e DEUS).
Todavia sou obrigado a concordar com o Apóstolo Paulo quando diz que é bom que o homem não se distraia com coisa alguma deste mundo (nem mesmo em procurar casar-se), ocupando todo o seu tempo com as coisas de DEUS (ainda mais agora que a volta do Senhor está tão breve, pelos sinais que estamos vendo).
Quanto à posição da mulher no meio da igreja, as Escrituras Sagradas deixam bem claro o que o Senhor requer de cada uma.
Aquela que deseja se salvar, que procure obedecer à vontade do Senhor ou então ficará de fora (estamos diante de duas opções: ou céu ou inferno, pois as Escrituras não falam em purgatório).
O Espírito Santos diz no Novo Testamento, que a mulher deve estar calada na igreja e em tudo ser submissa ao seu esposo (se a mulher não for casada, seu esposo é Cristo).
Como boas donas de casa, as mulheres mais velhas devem ensinar as mais novas em tudo, inclusive no aspecto da submissão.
Feliz aquele e aquela que entenderam isso e procuram se submeter à lei de DEUS.
O primeiro passo para uma grande caminhada com o Senhor Jesus, Sra. Anônima, é o batismo por imersão, conforme o exemplo que Ele próprio deu.
Respeitosamente.

Anônimo disse...

Sr. Marcelo.

Eu não sra. anônima, eu sou sr. anônimo

As palavras de Jesus Cristo não era para todos compreenderem. Pois Ele sabia que nem todos as aceitariam.

Na passagem do eunuco que o sr. citou vejamos o que Jesus Cristo disse no final:

Mt 19:11-12
11''Ele,porém, lhes disse:Nem todos podem receber esta palavra, mas só aqueles a quem foi concedido.''
12''Porque há eunucos que assim nasceram do ventre da mãe ( eunucos de nascimento ); e há eunucos que foram castrados pelos homens (mutilação fisica); e há eunucos que se castraram a si mesmos, por causa do Reino dos Céus ( apostolos, discípulos e outros que seguiram Jesus).QUEM PODE COMPREENDER ISSO, COMPREENDA-O.''

Esta última parte do versículo é essencial para entender que Jesus Cristo pregava o celibato para os sacerdotes.

Mas sr. Marcelo nós temos agora que voltar uns versículos atrás para entender porque Jesus falou tudo isso. Em Mt19:1-9, repare que todos estavam confusos com relação ao matrimônio, chegando a citar Moisés, então Jesus encera a dúvida brilhantemente (versículo 9). Mas no versículo 10, os próprios discípulos questionam o casamento ( porque!?) dizendo que até que não convém casar!Depois vem os 2 famosos versículos dos eunucos.

MAS repare nos versículos Mt 19:13-14, onde Jesus fala que deixem ir até Ele as crianças porque é delas o Reino dos Céus. Percebeu sr. Marcelo outra vez que no final do versículo 14 Jesus ternima no Reino dos Céus para as crianças assim como o Reino dos Céus para os eunucos no versículo 12! É muito simples: porque as crianças não tem esposa ou esposo. Por isso depois Jesus fala para o mancebo se quer seguir NA VIDA, guardar os mandamnetos, se queres ser PERFEITO largue tudo o que tens e me segue.

Mas faço outra vez a pergunta: Onde estavam as ''esposas'' dos outros apóstolos? E onde estavam as ''esposas'' dos PAIS DA IGREJA?

Minha carta já está muito grande, mas na próxima responderei sobre o purgatório, o batismo - onde nem todas as denominações protestantes fazem por ''imersão''e também batizam bebês.

PS: Os apóstolos sempre pregaram que o maior exemplo deles era Cristo Jesus, por isso mesmo o copiaram incluindo-se ai o celibato.

Anônimo disse...

Como prometi escreverei sobre o purgatório e na próxima carta sobre o batismo.

Antes gostaria de comentar a opinião de um pastor da Rede Boas Novas. Eu só peguei no final do programa que ele estava apresentando; não sei qual era o nome do programa ou do pastor. Mas a pergunta que foi feita me chamou a atenção: O que acontece com as pessoas que cometem suicídio, elas vão para o inferno?

O pastor além de se atrapalhar na resposta, deu o seguinte comentário: Na Bíblia não diz nada sobre o que acontece com as pessoas que cometem suicídio (errou pois Judas se matou e foi para o inferno). Apesar de termos casos de suicídios na bíblia.

Bem, não sei se o sr. sabe mais no judaísmo também existe o purgatório ( do qual não me recordo o nome). Obviamente Jesus sabia e sabe da existencia do purgatório, visto que Ele foi ensinado no judaísmo. Bom, preste atenção neste versículo dito por Jesus: ''E, se qualquer disser alguma palavra contra o Filho do Homem, ser-lhe-á perdoado; mas, se alguém falar contra o Espírito Santo, não lhe será perdoado, nem neste mundo nem no próximo.''
Mt12:32.

Lendo este pequeno versículo percebi uma coisa; existem pecados que podem ser perdoados depois de morto! Mais vamos tentar analisar esta última parte: outro mundo. Bem o céu não é; pois só estaram no céu os que morreram na Graça de Deus; o inferno não é pois só irão para lá os condenados; então sobrou uma terceira opção; Qual será? Voltando para a opinião do pastor ele sem querer acabou dizendo a existencia do purgatório, visto que em momento nenhum ele disse o que acontecia com os suicídas.

Sr. Marcelo eu posso dar outro exemplo da existencia do purgatório. Vamos supor que um ateu (por não ter uma família religiosa ou por um outro motivo) venha a falecer, mas na sua vida ele foi uma pessoa boa; ajudava muitas pessoas; fazia caridade; ou seja praticava as boas obras como tanto se referiu São Tiago ( ele disse ser mais importante que ter fé). Pergunta: Será que Deus na sua total bondade e sapiência seria tão ruim ao ponto de mandar uma pessoa desta para o inferno, visto por ele não ter tido uma educação religiosa ou por um outro motivo?

A Igreja Católica considera o suicídio um pecado gravíssimo, mas sabe que em muitos casos existem pessoas que se matam por vários motivos. Mas os principais são: Problemas psicologicos, desespero ou indução. Nestes casos a Igreja reconhece que somente Deus na sua total bondade e sapiência podera julgar uma pessoa dessa. Por isso nós católicos rezamos pela alma dos mortos no purgatório, pois muitos que estão lá morreram cometendo esse ato condenável, mais eram pessoas boas que não tiveram a oportunidade de conhecerem a Deus e só Deus irá resolver. Se minha carta não ficou muito claro, eu posso explicar melhor na proxíma carta.

Na outra carta eu explicarei sobre o batismo.

marcelo victor disse...

Sr. Anônimo,
Vejo que o senhor está no caminho certo, continue investigando a Bíblia que por certo, se clamares a DEUS, Ele lhe dará entendimento (não só ao senhor, mas a mim e a todo aquele que o buscar de um puro e sincero coração).
As obras são muito importantes, porém, na volta de Cristo, só subirão aos céus com Ele, segundo as Escrituras Sagradas, quem andou na obediência à Sua doutrina, a qual está muito bem detalhada no Novo Testamento (o homem não tem o que inventar, está tudo lá).
Sua palavra nos assegura que nós podemos dar toda a nossa riqueza material para sustento dos pobres, mas se não houver a caridade de nada adianta.
Sabe quem é a caridade, Sr. Anônimo? É Ele, Cristo, a Palavra de DEUS.
Se em nós não houver a obediência ao que Ele diz (se não andarmos na Sua doutrina), em nós não está a caridade, por mais religiosos que formos (lembre-se que os fariseus eram extremente religiosos).
O amor de DEUS para com o homem está no Seu Filho, na Sua Palavra (na Sua doutrina), quem tem o Filho tem a vida, quem não tem o Filho permanece morto diante de DEUS (como os fariseus o eram, com toda a disciplina).
As boas obras, Sr. Anônimo, contarão no juízo final, quando todos comparecerão para julgamento diante do Trono da Majestade nas alturas.
Isso ocorrerá, segundo a Palavra, depois de mil anos da volta de Cristo, após ter reinado com os seus escolhidos (sobre estes não tem poder a segunda morte).
Nem tudo o Senhor DEUS revelou ao homem, todavia, as Escrituras nos falam somente de céu e inferno (Hades, abismo, etc.).
Acrescentar algo à Palavra de DEUS é um risco e um pecado muito grande (cuja sentença está na própria Bíblia), por isso, prefiro ficar na minha ignorância e utilizar somente aquilo que o Espírito Santo revelou e escreveu para as gerações futuras (ainda que um anjo do céu me diga outra coisa).
De uma coisa tenho certeza: o Senhor DEUS é o dono da justiça e Nele não reside mal algum. Por isso, Sr. Anônimo, continue a fazer boas obras e a buscar esclarecimento da parte de DEUS (não deste ou daquele homem, nem mesmo desta o daquela instituição religiosa).
Porém saiba que a doutrina é clara nas Escrituras e aqueles que não se enquadrarem nela, certamente não reinarão com Cristo no milênio (quanto à salvação, DEUS o sabe, pois haverá o juízo final como disse).
E, além disso (além de não reinar com Cristo), os demais comparecerão diante Dele para juízo, cujo critério de julgamento está em Suas mãos.
Apenas uma coisa a mais desejo lhe dizer, com todo respeito: se uma determinada filosofia de vida, dogma, crença, seja lá qual for o título dela, contrariar em algum ponto (por menor que seja) as Escrituras, essa teoria (esse estilo de vida) não provém de DEUS. Fujamos dela.

“E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado”. (Mc 16:15-16)

obs: todo homem já é concebido em uma situação de morte espíritual diante de DEUS; seja preto, seja branco, seja jovem, seja criança, seja velho...todos precisamos de Cristo para a salvação, pois só Ele é o caminho, a verdade e a vida, e ninguém vai ao Pai se não por Ele (Ele é a Palavra, a doutrina).

Anônimo disse...

Eu prometi e escreverei agora sobre o batismo. Antes gostaria de perguntar ao sr. Marcelo: Em todas as denominações protestantes são realizados batismos por ''imerção''?

Pelo que eu sei algumas denominações como: Anglicanos, luteranos, alguns seguimentos dos Metodistas (me corrijam se eu estiver errado) e outros também fazem batismos infantins, e muitos por emerção.

Primeiro sr. Marcelo: Jesus Cristo não precisava ser batizado, e com certeza não precisou confessar que aceitava-O em nome Dele (!!!??).

Segundo: Jesus se deixou batizar por humildade.

Terceiro: Em algumas passagens das Sagradas Escrituras São Pedro e São Paulo comparam o batismo com a circuncisão; e a circuncisão, no judaísmo, só é feito em crianças - se eu não me engano - depois de quarenta dias.

Quarto: Jesus não precisava dar ''exemplo'' para mortal nenhum; nós é que devemos dar exemplos para honra-lo.

Julio Severo disse...

Gente, o foco deste artigo é exclusivamente a decisão autoritária e absurda do CFP de proibir psicólogos de ajudar a Igreja Católica. Não convém, pois, desviar o foco desse assunto, pois embora eu não goste de psicologia, acho que a decisão do CFP é indigna de uma sociedade justa. Se pararmos para discutir questões teológicas, perderemos a oportunidade de combater o inimigo comum.

Anônimo disse...

Realmente sr. Marcelo e quanto mais eu estudo as Sagradas Escrituras, mais eu percebo que ela é católica e não protestante.

O sr. tem razão em falar na Doutrina de Cristo (isso demostra que Ele só tinha uma), e não em doutrinas.

No início da Igreja primitiva (Igreja Católica), qual dos apóstolos pregou o luteranismo, o presbiterianismo, o metodismo, o pentecostalismo, o neopentecostalismo(!?)...? Nenuhm.

Realmente sr. Marcelo Jesus só tinha uma Doutrina, e não várias!

O sr. fala de Instituição Religiossa(!?), acrescestar palavras, ... mas a sua denominação não prega a mesma coisa de outras denominações protestantes, então quem adicionou palavras nas Sagradas Escrituras?

E ao contrário o que o sr. tentou insinuar, onde foi que eu disse que não aceito Jesus? Onde foi que eu disse que Jesus não é Deus?

Interessante que no Antigo Testamento o purgatório é chamado de Gehenna e o inferno é chamado de Sheol.

Desculpe Julio, mais eu tenho que responder.