31 de agosto de 2013

Medicina cubana é curandeirismo e marxismo


Medicina cubana é curandeirismo e marxismo

Gilberto Velazco Serrano, de 32 anos, conta por que, em 2006, desertou de uma missão de seu país na Bolívia — na qual os médicos eram vigiados por paramilitares

Aretha Yarak
O cubano Gilberto Velazco Serrano, de 32 anos, é médico. Na ilha dos irmãos Castro ele aprendeu seu ofício em meio a livros desatualizados e à falta crônica de medicamentos e de equipamentos. Os sonhos de ajudar os desamparados bateu de frente, ainda durante sua formação universitária, com a dura realidade de seu país: falta de infraestrutura, doutrinação política e arbitrariedade por parte do governo. "É triste, mas eu diria que o que se pratica em Cuba é uma medicina quase de curandeirismo”, diz Velazco.
Ao ser enviado à Bolívia em 2006, para o que seria uma ação humanitária, o médico se viu em meio a uma manobra política, que visava pregar a ideologia comunista. “A brigada tinha cerca de 10 paramilitares, que estavam ali para nos dizer o que fazer”. Velazco não suportou a servidão forçada e fugiu. Sua primeira parada foi pedir abrigo político no Brasil, que permitiu sua estada apenas de maneira provisória. Hoje, ele mora com a família em Miami, nos Estados Unidos, onde tem asilo político e estuda para revalidar seu diploma. De lá, ele concedeu a seguinte entrevista ao site de VEJA:
Como os médicos são selecionados para as missões?
Eles são obrigados a participar. Em Cuba, se é obrigado a tudo, o governo diz até o que você deve comer e o que estudar. As brigadas médicas são apenas uma extensão disso. Se eles precisam de 100 médicos para uma missão, você precisa estar disponível. Normalmente, eles faziam uma filtragem ideológica, selecionavam pessoas alinhadas ao regime. Mas com tantas colaborações internacionais, acredito que essa filtragem esteja menos rígida ou tenha até acabado.
Como foi sua missão?
Fomos enviados 140 médicos para a Bolívia em 2006. Disseram que íamos ficar no país por três meses para ajudar a população após uma enchente. Quando cheguei lá, fiquei sabendo que não chovia há meses. Era tudo mentira. Os três meses iniciais viraram dois anos. O pior de tudo é que o grupo de 140 pessoas não era formado apenas por médicos — havia pelo menos 10 paramilitares. A chefe da brigada, por exemplo, não era médica. Os paramilitares estavam infiltrados para impedir que a gente fugisse.
Paramilitares?
Vi armas dentro das casas onde eles moravam. Eles andavam com dinheiro e viviam em mansões, enquanto nós éramos obrigados a morar nos hospitais com os pacientes internados. Quando chegamos a Havana para embarcar para a Bolívia, assinamos uma lista para registro. Eram 14 listas com 10 nomes cada. Em uma delas, nenhum dos médicos pode assinar. Essa era a lista que tinha os nomes dos paramilitares.
Como era o trabalho dos paramilitares?
Não me esqueço do que a chefe da brigada disse: “Vocês são guerrilheiros, não médicos. Não viemos à Bolívia tratar doenças parasitárias, vocês são guerrilheiros que vieram ganhar a luta que Che Guevara não pode terminar”. Eles nos diziam o que fazer, como nos comportar e eram os responsáveis por evitar deserções e impedir que fugíssemos. Na Bolívia, ela nos disse que deveríamos estudar a catarata. Estávamos lá, a priori, para a atenção básica — não para operações como catarata. Mas tratar a catarata, uma cirurgia muito simples, tinha um efeito psicológico no paciente e também na família. Todos ficariam agradecidos à brigada cubana.
Você foi obrigado a fazer algo que não quisesse?
Certa vez, eu fui para Santa Cruz para uma reunião, lá me disseram que eu teria de ficar no telefone, para atender informações dos médicos e fazer estatísticas. O objetivo era cadastrar o número de atendimentos feitos naquele dia. Alguns médicos ligavam para passar informações, outros não. Eu precisava falar com todos, do contrário os líderes saíam à caça daquele com quem eu não havia conversado. Quando terminei o relatório, 603 pacientes tinham sido atendidos. Na teoria, estávamos em 140 médicos na Bolívia, mas foi divulgado oficialmente que o grupo seria de 680. Então como poderiam ter sido feitas apenas 603 consultas? Acabei tendo que alterar os dados, já que o estabelecido era um mínimo de 72 atendimentos por médico ao dia. Os dados foram falsificados.
Como é a formação de um médico em Cuba?
Muito ruim. É uma graduação extremamente ideologizada, as aulas são teóricas, os livros são velhos e desatualizados. Alguns tinham até páginas perdidas. Aprendi sobre as doenças na literatura médica, porque não tinha reativo de glicemia para fazer um exame, por exemplo. Não dava para fazer hemograma. A máquina de raio-X só podia ser usada em casos extremos. Os hospitais tinham barata, ratos e, às vezes, faltava até água. Vi diversos pacientes que só foram medicados porque os parentes mandavam remédios dos Estados Unidos. Aspirina, por exemplo, era artigo raro. É triste, mas eu diria que é uma medicina quase de curandeiro. Você fala para o paciente que ele deveria tomar tal remédio. Mas não tem. Aí você acaba tendo que indicar um chá, um suco.
Como era feita essa "graduação extremamente ideologizada" que o senhor menciona?
Tínhamos uma disciplina chamada preparação militar. Ficávamos duas semanas por ano fora da universidade para atender a essa demanda. Segundo o governo cubano, o imperialismo iria atacar a ilha e tínhamos que nos defender. Assim, estudávamos tudo sobre bombas químicas, aprendíamos a atirar com rifle, a fazer maquiagem de guerra e a nos arrastar no chão. Mas isso não é algo exclusivo na faculdade de medicina, são ensinamentos dados até a crianças.
Como é o sistema de saúde de Cuba?
O país está vivendo uma epidemia de cólera. Nas últimas décadas não havia registro dessa doença. Agora, até a capital Havana está em crise. A cólera é uma doença típica da pobreza extrema, ela não é facilmente transmissível. Isso acontece porque o sistema público de saúde está deteriorado. Quase não existem mais médicos em Cuba, em função das missões.
Por que você resolveu fugir da missão na Bolívia?
Nasci em Cuba, estudei em Cuba, passei minha vida na ilha. Minha realidade era: ao me formar médico eu teria um salário de 25 dólares, sem permissão para sair do país, tendo que fazer o que o governo me obrigasse a fazer. Em Cuba, o paramédico é uma propriedade do governo. A Bolívia era um país um pouco mais livre, mas, supostamente, eu tinha sido enviado para trabalhar por apenas três meses. Lá, me avisaram que eu teria de ficar por dois anos. Eu não tinha opção. Eram pagos 5.000 dólares por médico, mas eu recebia apenas 100 dólares: 80 em alimentos que eles me davam e os 20 em dinheiro. A verdade é que eu nunca fui pago corretamente, já que médico cubano não pode ter dinheiro em mãos, se não compra a fuga. Todas essas condições eram insustentáveis.
Você pediu asilo no Brasil?
Pedi que o Brasil me ajudasse no refúgio. Aleguei que faria o Revalida e iria para o Nordeste trabalhar em regiões pobres, mas a Polícia Federal disse que não poderia regularizar minha situação. Consegui um refúgio temporário, válido de 1 de novembro de 2006 a 4 de fevereiro de 2007. Nesse meio tempo, fui à embaixada dos Estados Unidos e fui aprovado.
Após a sua deserção, sua família sofreu algum tipo de punição?
Eles foram penalizados e tiveram de ficar três anos sem poder sair de Cuba. Meus pais nunca receberam um centavo do governo cubano enquanto estive na Bolívia, mas sofreram represálias depois que eu decidi fugir.
Quando você foi enviado à Bolívia era um recém-formado. A primeira leva de cubanos no Brasil é composta por médicos mais experientes...
Pelo o que vivi, sei que isso é tudo uma montagem de doutrinação. Essas pessoas são mais velhas porque os jovens como eu não querem a ditadura. Eu saí de Cuba e não voltei mais. No caso das pessoas mais velhas, talvez eles tenham família, marido, filhos em Cuba. É mais improvável que optem pela fuga e deixem seus familiares para trás. Geralmente, são pessoas que vivem aterrorizadas, que só podem falar com a imprensa quando autorizadas.
Os médicos cubanos que estão no Brasil deveriam fazer o Revalida?
Sim. Em Cuba, os médicos têm de passar por uma revalidação para praticar a medicina dentro do país. Sou favorável que os médicos estrangeiros trabalhem no Brasil, mas eles precisam se adequar à legislação local. Além do mais, a formação médica em Cuba está muito crítica. Eu passei o fim da minha graduação dentro de um programa especial de emergência. A ideia era que eles reduzissem em um ano minha formação, para que eu pudesse ser enviado à Bolívia. O governo cubano está fazendo isso: acelerando a graduação para poder enviar os médicos em missões ao exterior.
Fonte: Revista Veja
Divulgação: www.juliosevero.com
Leitura recomendada:
A cubanização da dengue e a idiotização dos que confiam no governo

Grupos de Direitos Humanos Apoiam Lei Russa


Grupos de Direitos Humanos Apoiam Lei Russa

Dr. Stefano Gennarini
NOVA IORQUE, EUA (C-FAM) Organizações de direitos humanos do mundo inteiro estão apoiando a campanha da Rússia para proteger as crianças da propaganda homossexual.
Uma declaração da sociedade civil afirma que a lei russa recentemente decretada, que impõe multas em indivíduos e grupos que promovem a homossexualidade entre menores, é um importante passo para cumprir obrigações internacionais para as famílias e os menores.
Organizações do mundo inteiro estão “correndo” para oferecer seu apoio de acordo com Profesionales por la Etica, a organização com sede na Espanha que está coordenando a campanha. Em apenas uma semana, 71 organizações ofereceram seu apoio.
A Rússia está protegendo “direitos humanos genuínos e universalmente reconhecidos contra valores falsos, artificiais e fabricados” como orientação sexual e identidade de gênero, de acordo com a declaração.
A declaração reconhece a lei russa como uma iniciativa para proteger a família, a unidade fundamental da sociedade. A lei trata de proteger a “inocência das crianças” e os “direitos dos pais,” diz a declaração.
A Duma da Rússia adotou a lei quase que unanimemente na primavera. Provocou debate internacional sobre se os países podem controlar a liberdade de expressão de indivíduos e grupos a fim de proteger menores de informações que podem ser prejudiciais para sua saúde e desenvolvimento.
Grupos homossexuais têm condenado a lei como “antigay,” muito embora a homossexualidade seja legal na Rússia. Líderes da Europa Ocidental e dos Estados Unidos têm também criticado a lei.
O presidente americano Barack Obama disse que não tem “nenhuma paciência” com países que tentam “intimidar” os homossexuais quando ele apareceu num popular programa de entrevistas neste mês condenando a lei russa. Os comentários vieram imediatamente depois que Obama cancelou uma reunião de cúpula bilateral com os russos.
A Rússia realizará as Olimpíadas de Inverno em Sochi no próximo ano. Os críticos da lei russa estão planejando boicotes, e têm até pedido que o Comitê Olímpico mude os jogos para outro lugar.
Embora os que estão criticando a lei russa afirmem que ela viola os direitos humanos dos homossexuais, eles acham difícil tratar da razão declarada para decretar as leis, isto é, as consequências negativas de saúde da atividade homossexual.
O jornal Lancet informou no verão passado que os homossexuais têm uma probabilidade 18 vezes maior de contrair o HIV do que os heterossexuais, devido a uma combinação de riscos biológicos e comportamentais associados com a atividade homossexual. Além disso, o HIV está regredindo na maior parte do mundo, exceto entre as populações homossexuais onde está subindo disparadamente. Os homossexuais têm também risco mais elevado de abuso de drogas, suicídio e depressão.
Boatos no começo deste mês sugeriam que a lei não se aplicaria a visitantes durante as Olímpiadas de Inverno a serem realizadas em Sochi no próximo ano, mas esses boatos foram dissipados.
Na semana passada o Comitê Olímpico foi informado pelo vice-primeiro-ministro Dmitry Kozak que a lei estará em grande parte em vigor durante as Olimpíadas. Ao mesmo tempo, o Comitê foi assegurado que a Rússia cumprirá as cláusulas de não discriminação da Carta Olímpica.
Os russos estão determinados a defender a lei. Putin fez um decreto proibindo qualquer comício ou manifestação em Sochi que não tenha relação com as Olimpíadas durante o período envolvendo o evento.
Tradução: www.juliosevero.com
Fonte: Friday Fax
Leitura recomendada:
EUA e Rússia: caminhos inversos na agenda gay

30 de agosto de 2013

Abraçados com o diabo


Abraçados com o diabo

“Como podem Cristo e o Diabo estar de acordo? O que é que um cristão e um descrente têm em comum?” (2 Coríntios 6:15 BLH)

Dr. Fábio Blanco
Grande ilusão esta de acreditar que é possível alguma aliança com os grupos deste mundo. Há cristãos que, penso eu, sinceramente creem que podem influenciar positivamente as pessoas dos altos postos do governo e da grande mídia do país.
O que tem acontecido, invariavelmente, porém, é se encontrarem em situações de constrangimento público e embaraço, por conta de perguntas tendenciosas feitas por jornalistas encomendados e junções forçadas com políticos de reputação comprometedora.
Quando ouço essas celebridades gospel falando cheias de esperança, acreditando que vão ser instrumentos de Deus para mudar a realidade do país, me compadeço da ingenuidade desses crentes. Eles, por ignorância política e cultural, veem os homens e mulheres do governo e da mídia apenas como pessoas espiritualmente ignorantes, mas que podem ser convencidas a qualquer momento pelo bom testemunho e pela demonstração de amor que eles, cristãos, eventualmente demonstrem.
O que esquecem é que esses mesmos homens e mulheres não são apenas ignorantes, mas intestinalmente comprometidos com tudo aquilo que milita contra os valores cristãos, contra a verdade de Deus. Assim, não há nenhum tipo de aliança possível. Os interesses que conduzem essas pessoas são inspirados diretamente das trevas. São objetivos guiados por principados e potestades demoníacas. E se nossa luta não é contra carne ou sangue, isso não nos obriga a nos unirmos aos que são movidos pelo capeta. Se um cristão deve estar atento para os poderes malignos que atuam por trás das pessoas, isso não significa que devem agir em parceria com essas mesmas pessoas.
Fazer aliança com homens movidos por demônios não converte esses homens, jamais. Pelo contrário, como toda aliança pressupõe um acordo, e todo acordo é uma cessão mútua, no fim das contas quem se une a pessoas guiadas pelo mal terá que ceder algo para o diabo. E nisso, certamente, o único ganhador será o Inferno.
Divulgação: www.juliosevero.com
Leitura recomendada:

Lei da Palmada: os filhos poderão decidir sobre tudo, sem ingerência dos pais ou responsáveis


Lei da Palmada: os filhos poderão decidir sobre tudo, sem ingerência dos pais ou responsáveis

Entrevista com Paulo Fernando, membro da comissão de bioética da arquidiocese de Brasília e assessor parlamentar na câmara dos deputados

(Zenit.org) Thácio Lincon Soares de Siqueira
Um assunto que toca diretamente os pais e mães do Brasil, e que, de certa forma invade sem pedir licença, todos os lares desse país é o projeto de lei batizado pela imprensa nacional como “Lei da Palmada”, o PL 7672/2010 que visa “proibir o uso de qualquer castigo físico ou ato considerado cruel, degradante ou humilhante na educação de crianças e adolescentes”.
“Obviamente, ninguém em sã consciência defende o espancamento de crianças e adolescentes”, disse em entrevista a ZENIT o dr. Paulo Fernando, porém, mais uma vez um PL aparece com conceitos pouco claros, como “constrangimento e humilhação” que são “bem subjetivos”, além do que “os maus tratos, lesão corporal, tortura já tem previsão no ordenamento jurídico brasileiro”, explicou Paulo Fernando.
“Afora o fato de que o projeto diz respeito à disciplina do exercício do pátrio poder, indiscutivelmente inserto no âmbito da intimidade da vida privada da família”, explicou o assessor parlamentar, afirmou também que isso mostra “um profundo caráter ideológico da intervenção do Estado nos assuntos privados e que só dizem respeito ao seio da família” e a instituição de uma “educação "sem rédeas ou freio", onde os filhos poderão decidir sobre tudo, sem ingerência dos pais ou responsáveis.”
Em conversa com ZENIT, Paulo Fernando de Melo, pai de 5 filhos, membro da comissão de bioética da arquidiocese de Brasília e assessor parlamentar na câmara dos deputados aborda esse tema na entrevista abaixo:.
ZENIT: Dr. Paulo Fernando, o senhor esteve ontem numa mesa redonda no programa Diário Brasil, da TV Genesis, discutindo o projeto de lei da Palmada. Que lei é essa? Qual é o histórico dessa proposição?
Paulo Fernando: A Lei da Palmada é o nome dado ao PL 7672/2010, de autoria do presidente Luís Inácio, que “altera a Lei n. 8.069, de 13 de junho de 1990, que dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente para estabelecer o direito da criança e do adolescente de serem educados e cuidados sem o uso castigos corporais ou de tratamento cruel ou degradante".
A matéria já havia sido tratada em 2003, com o PL 2654/2003 da Deputada Maria do Rosário (PT/RS), atual Ministra dos Direitos Humanos e está aguardando a apreciação de 2 recursos contra o poder conclusivo em plenário desde 2006.
O PL 7672/2010 visa proibir o uso de qualquer castigo físico ou ato considerado cruel, degradante ou humilhante na educação de crianças e adolescentes.
O conceito de constrangimento e humilhação é bem subjetivo, além do que os maus tratos, lesão corporal, tortura já tem previsão no ordenamento jurídico brasileiro.
O PL 7672/2010 foi aprovado por uma Comissão Especial com a relatoria da Deputada Teresa Surita.Foram apresentados 6 recursos ao plenário contra o poder conclusivo das comissões.Estranhamente os deputados retiraram as suas assinaturas por uma forte pressão de uma famosa apresentadora de TV.
O deputado Marcos Rogério PDT/RO impetrou um mandado de segurança no STF com pedido de liminar asseverando que o despacho da Mesa da Câmara, determinando o poder conclusivo, contrariou os arts. 24, II, “e” do Regimento Interno da Câmara dos Deputados e art. 68, §1º, II, Constituição Federal, pois dispõe sobre matéria que não é objeto de delegação legislativa.
A proposição, ao tratar em seu art. 17-A, do direito da criança de ser educada, cuidada, tratada ou vigiada sem uso de castigo corporal ou tratamento cruel ou degradante, discute matéria que se insere no âmbito normativo do inciso III, do art. 5º da Constituição Federal, rol inequívoco de direitos individuais. Afora o fato de que o projeto diz respeito à disciplina do exercício do pátrio poder, indiscutivelmente inserto no âmbito da intimidade da vida privada da família, também arrolada como direito individual no inciso X do mesmo dispositivo constitucional.
O relator da matéria no STF é o Ministro Luis Fux que pediu informações à Câmara dos Deputados e ao Procurador-Geral da República.
ZENIT: O povo brasileiro foi consultado sobre esse projeto?
Paulo Fernando: Em enquete realizada pelo site da Câmara dos Deputados 94 % dos internautas manifestam-se contrários à proposição e a maioria dos parlamentares também são contra o projeto.
ZENIT: Na prática, os pais serão constrangidos em quais pontos?
Paulo Fernando: Cria-se uma central de denúncias contra os pais ,principalmente nas famílias com muitos filhos e atingirá também os educadores, pois se quebra o respeito ao poder familiar, a hierarquia e enfraquece a disciplina e a obediência. Obviamente, ninguém em sã consciência defende o espancamento de crianças e adolescentes, mas muitas vezes uma reprimenda leve e educativa pode ser utilizada como o último recurso, afinal uma palmadinha explicada não dói.
ZENIT: O que pode estar por detrás desse projeto de lei?
Paulo Fernando: O PL é revestido de um profundo caráter ideológico da intervenção do Estado nos assuntos privados e que só dizem respeito ao seio da família. Uma das principais caraterísticas de um Estado autoritário socializante é intervir nos assuntos privados do cidadão de bem. Instituir uma educação "sem rédeas ou freio", onde os filhos poderão decidir sobre tudo, sem ingerência dos pais ou responsáveis.
ZENIT: Sobre a lei da Palmada, o que os eleitores podem fazer para barrar essa lei?
Paulo Fernando: Informar-se do texto e de suas consequências, cobrar dos deputados da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados a não apreciação da matéria e, se por acaso for para o Senado Federal, rogar aos senhores senadores a rejeição na íntegra da proposição.
Fonte: Zenit
Divulgação: www.juliosevero.com
Leitura recomendada:
A importância de disciplinar os filhos (artigo especial de Julio Severo sobre a correção física dos filhos)

29 de agosto de 2013

Blog Julio Severo entrevista Eduardo Rocha, ex-travesti


Blog Julio Severo entrevista Eduardo Rocha, ex-travesti

Um abuso sexual na infância o levou à identidade homossexual. Já na adolescência, Eduardo Rocha defendia publicamente a agenda gay, se tornando famoso em sua identidade de travesti.
Eduardo deu uma entrevista exclusiva ao Blog Julio Severo, contando sobre suas experiências e transformação.
Blog Julio Severo: Qual foi a causa de sua entrada na prática homossexual?
Eduardo Rocha: Desde pequeno, eu sentia que era “alguém diferente”. Aos 16 anos participei do Encontro Nacional de Adolescentes em Salvador na Bahia, em 1999, defendendo a “Agenda Gay”. Com 17 anos de idade já me travestia e tinha meu programa de TV, “Grevâniah Rhiuchélley”, que chegou em 2002 ao segundo lugar em audiência no SBT para a região do Triângulo Mineiro. Eu era um militante do movimento homossexual, um gay “assumido” e acreditava piamente que havia nascido assim e que mudar essa condição era totalmente descabido.  Hoje, após quase 10 anos da minha conversão, atribuo a entrada na prática homossexual a fatores espirituais, emocionais e comportamentais. Em meu caso, sofri abuso sexual quando criança, não tive uma referência tangível de fé na minha família e tive um pai que emocionalmente foi bem distante de mim. Hoje entendo que a ausência da referência paterna contribuiu para a formação da minha identidade como homossexual.  Veja este vídeo sobre a vida do Eduardo: http://youtu.be/1o7XB73haiw
Blog Julio Severo: O que deixa você mais inquieto na prática homossexual?
Eduardo Rocha: Atualmente recebo inúmeros e-mails, contatos, ligações e pessoas me procuram pessoalmente pelo fato de não estarem felizes com sua sexualidade. Os motivos que levam essas pessoas a esse descontentamento são inúmeros:
* o fato de crerem mediante uma convicção legítima de fé que este comportamento é errado;
* por sentirem que o estilo de vida gay muitas vezes é promíscuo e relacionamentos conturbados ou passageiros demais;
* o risco de se contrair doenças sexualmente transmissíveis (principalmente AIDS, já que os índices de infecção entre homossexuais homens são maiores do que entre qualquer outro grupo)
* outros riscos fisiológicos implicados no sexo anal (câncer de próstata e outras doenças)
* o fato de necessitarem de “arranjos" para se constituir uma “família”
* pensamentos de suicídio e depressão, dentre muitos outros relatos que recebo de inúmeros adolescentes, homens, mulheres e pais, todos os dias.
A grande questão é o fato da militância gay querer proibir e coibir qualquer cristão de dizer que a prática homossexual é errada ou pecaminosa. Imagine que os homens que traem suas esposas desejem agora se organizar e dizer que a poligamia é perfeitamente normal e deva ser socialmente aceita e que a igreja pregar contra isso pode fazer com que esses homens sejam recriminados pela sociedade ou ainda, atribuir que as mortes e violência ocorrida por causa de traições conjugais são culpa da igreja, que ao pregar contra a traição no casamento está incitando o ódio e a violência.
Vamos supor ainda, que este grupo organizando-se politicamente pelos direitos dos homens de trair passem a exigir que as crianças devam aprender na escola básica que se o cônjuge delas traírem, ou elas traírem os seus cônjuges, não devem se sentir mal por isso, pois o importante é serem felizes e satisfazerem os seus desejos e impulsos sexuais.
Vamos supor ainda que esse grupo passe a exigir que ninguém pode falar contra a traição, pois se eventualmente na escola tiver algum aluno que seja filho de um pai que tem várias amantes, essa criança poderá ser vítima de preconceito. Isso seria totalmente descabido, mas é exatamente isso que os promotores de direitos LGBT defendem, o direito de tornar normal e moral um comportamento imoral.
Imagine que também todas as pessoas que já não são virgens e que tiveram diversas ou diversos parceiros se organizem politicamente e se digam vítimas de preconceito por parte da igreja e que a igreja deve mudar o seu discurso, pois no mundo moderno não cabe mais a virgindade. Aliás, quem é virgem hoje ou defende o sexo somente após o casamento, principalmente nas escolas, sofre todo o tipo de perseguição e preconceito.
Ao meu ver, este grupo, que diz lutar contra a intolerância se mostra o mais intolerante e radical possível. O que percebemos claramente é que existe um discurso de ódio à religião, à igreja e a tudo o que é moralidade no que tange a comportamento sexual por parte deste ativismo, que sob o pretexto dos direitos humanos se colocam como vítimas e se tornam verdadeiros algozes, perseguindo, achincalhando, ameaçando, humilhando publicamente e cerceando os direitos de qualquer um que se mostre contrário à agenda deles. 
Devemos deixar claro que nem todos os homossexuais são militantes e concordam com esta agenda fascista, cheia de ódio, travestida de amor e de luta por direitos. Sem dúvida, os que quiserem ser homossexuais e praticarem a homossexualidade devem ter garantidos (como cidadãos, não por seu comportamento) seus direitos civis e já o são. Eles têm o direito de não crer na Bíblia sagrada e desprezar os ensinos do Cristo, mas não podem, sob o pretexto de lutarem por direitos, passarem por cima da própria Constituição, impedindo o livre exercício do culto, a livre expressão da crença e do pensamento, além de vilipendiar publicamente ato ou objeto de culto religioso.
Recentemente vimos o “ato” da marcha das vadias, onde elas cuspiram na Constituição, cometeram crimes em praça pública e não houve intervenção do Estado, mostrando claramente a omissão de nossas autoridades, expondo o nosso país a um caos da ordem pública.
A constituição garante a liberdade religiosa:
Art. 208. Escarnecer de alguém publicamente, por motivo de crença ou função religiosa; impedir ou perturbar cerimônia ou prática de culto religioso; vilipendiar publicamente ato ou objeto de culto religioso;
Pena – detenção, de 1 (um) mês a 1 (um) ano, ou multa.
Parágrafo único. Se há emprego de violência, a pena é aumentada de um terço, sem prejuízo da correspondente violência.
A liberdade de crença trata-se da simples liberdade de consciência, ou seja, do cidadão optar e manifestar-se acerca de sua religião, como prevê o estatuto constitucional “é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e as suas liturgias” assim como “ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei” (art.5°, VI e VIII)
A liberdade de culto exterioriza-se com a prática do corpo doutrinário e de seus ritos, com suas cerimônias, manifestações, hábitos, tradições, na forma que indicada para a religião escolhida. (art. 5°, VI, CF).
A liberdade de organização religiosa tem dois primados, um refere-se à organização da igreja em seu espaço físico como também a profanação de sua crença, separando aos ditames ideológicos com o Estado, devido seu laicismo declarado (art.19, CF)
É alarmante o fato de eles quererem distorcer a mensagem da Cruz e transformarem em crime no Brasil a pregação do Evangelho, seja por católicos ou por protestantes, já que esse ponto é comum as duas religiões: a relação sexual entre dois homens e duas mulheres é pecado e ponto final.  
No entanto, apesar de aparentemente preocupante, toda essa inversão social não fará sucumbir a igreja e ainda que leis sejam aprovadas, por mais opressoras que sejam, as portas do inferno jamais prevalecerão contra a igreja, ainda que os cristãos passem a ser presos, o evangelho jamais estará preso. Toda lei humana por mais severa e perversa que seja, não terá poder sobre a igreja do Senhor Jesus Cristo. Nada, nem ninguém, poderá parar a Obra do Espírito Santo, que continuará exercendo o seu papel de convencer os homens do pecado, da justiça e do juízo de Deus.
Blog Julio Severo: Há uma ideia imposta hoje de que a psicologia pode e deve ser usada para manter homens nas práticas homossexuais, mas não pode ser usada em favor dos homens que querem sair dessas práticas. O que você acha?
Eduardo Rocha: É um pouco estranho ver uma ciência ou uma profissão usada para servir a uma causa. Esse jamais poderia ser o papel da psicologia. Acredito que esta ideia imposta além de ser contraditória, não é unânime.
Já conversei com inúmeros psicólogos que não são adeptos destas ideias e que acreditam que o Conselho Federal De Psicologia tem tratado a psicologia como se ela fosse uma ciência exata e ainda, coloca em cheque a credibilidade desta classe profissional por tentar impor a agenda gay, usando o CFP para isso.
Além de tudo, atenta contra a liberdade religiosa do profissional de psicologia ao impor uma conduta e proibi-lo a fazer quaisquer considerações públicas mostrando outras ideias ou possibilidades quanto ao tema homossexualidade, fenômeno comportamental ainda pouco estudado do ponto de vista científico. 
Blog Julio Severo: Você crê que Deus liberta os homossexuais sem psicologia?
Eduardo Rocha: Acredito que Deus está acima da psicologia. A psicologia, assim como qualquer ciência humana sem Deus, não significa nada. Acredito que em todo conhecimento e em toda a ciência, está a Glória de Deus. Entendo que a fé, ao tirar Deus do centro e colocar o homem ou ainda a própria igreja ou as instituições religiosas no lugar de Deus, cometeu ao longo da história suas atrocidades, o que abriu o caminho para que a religião fosse separada de tudo, como se o homem pudesse viver em um lugar e Deus estivesse em outra esfera. Foi aí então que separou-se a religião como sendo algo a parte. Lembremo-nos da história da humanidade, em que até pouco tempo atrás, tudo era religião, as sociedades se organizaram, sobreviveram e evoluíram pelo fato de que a religião fazia parte da sociedade (e apesar de alguns quererem exterminar a religião) ainda faz e sempre irá fazer. 
Quanto à psicologia, o homem é corpo, alma e espírito. Acredito que a psicologia pode oferecer conhecimento e ferramentas importantes para a libertação da prática da homossexualidade, assim como para a prática de qualquer estilo de vida de pecado, mas a resposta não se pode encontrar somente nela. Achar que a psicologia por si só, limitada como é, que não tem poder para mudar a natureza humana, pode transformar a natureza humana, isso é um equívoco. Não posso dizer que um rapaz que tinha relação sexual com homens e agora tem relação sexual com mulheres, foi liberto, pois entendo que libertação é a libertação da alma.
Eu costumo dizer que me transformar de homossexual para heterossexual foi a menor das transformações que Jesus realizou em minha vida. A mudança que ocorreu não foi simplesmente eu ser liberto de um comportamento sexual ou de uma identidade feminina, mas eu fui regenerado na minha natureza. A obra do Espírito Santo transforma criaturas em filhos de Deus, homens naturais, em homens espirituais, pecadores em santos e isso a psicologia está longe de fazer. Quando alguém me diz o comportamento homossexual é “natural”, em partes eu não discordo, pois a natureza do homem é pecadora e portanto, todo pecado está impregnado nesta natureza, seja ele qual for. 
Blog Julio Severo: Há uma grande afinidade entre religiões afro-brasileiras (candomblé, por exemplo) e homossexualidade. O deputado gayzista Jean Wyllys disse que foi guiado por exus para entrar na política. Luiz Mott, o líder máximo do movimento homossexual no Brasil, é também simpatizante das religiões afros. O que você acha dessa relação?
Eduardo Rocha: Em primeiro lugar, cada um tem a liberdade de professar a fé que quiser, e eu não posso exigir que o mundo se torne cristão, apesar de crer que os que não crerem em Cristo irão para o inferno. Essa é a minha fé e para defendê-la e ser coerente com ela precisarei defender as liberdades individuais e a liberdade de crença religiosa. 
Já em relação a esta afinidade, acredito não haver uma relação específica com esta ou aquela religião, mas sim a clareza de um alerta que Paulo, o apóstolo, trouxe pouco antes da sua partida para a Glória:  “Pois virá o tempo em que não suportarão a sã doutrina; pelo contrário, sentindo coceira nos ouvidos, segundo os seus próprios desejos juntarão mestres para si mesmos. Eles se recusarão a dar ouvidos à verdade, voltando-se para os mitos.” 2 Timóteo 4:3-4
Qualquer religião, até mesmo algumas “igrejas evangélicas inclusivas” que pregarem aquilo que o homem quer ouvir e não aquilo que Deus quer falar, atrairá para si os seus adeptos. Muitas igrejas estão atraindo multidões, vendendo a ideia de que Jesus é o “Gênio da Lâmpada” e que para ter algum desejo realizado, basta você fazer alguns rituais, sacrifícios e mudar algumas coisas no seu modo de ser. O homem se torna o centro de tudo e não Cristo. A essência do Cristianismo é Cristo e não o homem. Cristo vem para reconciliar o homem com Deus, partindo do pressuposto que quem abandonou Deus foi o homem e não o contrário. 
Blog Julio Severo: Uma das aflições que Jesus mais lidou em sua pregação e demonstração do Evangelho do Reino de Deus era a possessão demoníaca. Ele expulsava demônios freqüentemente e deu autoridade aos seus seguidores em todas as gerações de também oferecerem libertação espiritual aos possessos. Em que ponto existe uma relação entre práticas homossexuais e possessão demoníaca?
Eduardo Rocha: Em toda a prática pecaminosa, sem dúvida, desde o Éden, há uma influência de demônios. Mas influência e possessão são dois fenômenos espirituais distintos. Satanás foi quem desde o princípio da criação, influenciou o homem a desobedecer ao seu Criador, porém atribuir a prática homossexual a uma possessão demoníaca e dizer que todo homossexual está possesso de demônio, é um grande equívoco. Infelizmente muitos líderes cristãos têm partido desse pressuposto e afastando muitas pessoas de Cristo.
Atribuir a responsabilidade de seus atos pecaminosos ao demônio é se eximir da sua responsabilidade pessoal, é desprezar a necessidade de arrependimento e simplificar algo muito mais complexo que é o processo de construção da sexualidade a algo simples que pode ser resolvido com uma única oração.  Vencer as tentações, crucificar as paixões e desejos pecaminosos e desenvolver a fé cristã, é um processo que requer uma decisão por Cristo, Seu exemplo e Sua Palavra. 
Blog Julio Severo: Nas épocas em que não existia propaganda gay, a entrada na homossexualidade se dava quase que exclusivamente pelo abuso sexual. Você teme que agora, com a enorme e onipresente propaganda gay estimulando abertamente a homossexualidade e apresentando-a como alternativa atraente e desejável, os jovens fiquem confusos e optem por experimentar?
Eduardo Rocha: Sem dúvida, toda propaganda pode influenciar o comportamento, a ideologia e as atitudes das pessoas. Se não fosse assim, a propaganda não seria utilizada como mola propulsora do consumo, levando a sociedade consumir e se comportar em sintonia com os objetivos da propaganda. O grande problema é que vivemos em uma era de consumo, onde as pessoas são valorizadas e medidas de acordo com aquilo que consomem. O grande trunfo da propaganda é a mentira. A propaganda sempre vai mostrar o lado bonito da história.
A prova histórica do poder da propaganda e de seus estragos é o cigarro. Por anos fumar foi sinônimo de status, beleza, juventude e poder. A propaganda foi responsável por isso. Adolf Hitler se utilizou das técnicas de influência, principalmente através da propaganda e de discursos inflados, recheados de “boas intenções” para subverter toda uma nação a acreditar que o seu plano era o melhor para o país.
Tudo o que o movimento gay promove, propagando, utilizando-se de propaganda e tendo como aliados a grande mídia secular, com ênfase para as da Globo, é recheado por um discurso humanista cheio de “boas intenções”, mas na prática (Essa é a nossa fé e opinião) leva a uma vida de depravação, frustração e mentiras, consumindo os nossos jovens e influenciando-os sim a uma vida de pecado.
Os grandes estudiosos dos fenômenos sociais sabem e projetam que em menos de 10 anos a população adepta da fé evangélica será mais de 50% da população. A própria Rede Globo tem essa projeção e sabe que isto vai ocorrer. A impressão que eu tenho é que esta empresa, responsável hoje por grande influência social, ao mesmo tempo que tenta fazer a política da boa vizinhança com os evangélicos, olhando para esse grupo como “mercado de consumo”, trabalha de todas as formas par adiar este crescimento. Em menos de dois anos, posso citar  diversos momentos em que esta emissora promoveu de maneira muito clara a “agenda gay” e como a Globo tem ostensivamente influenciado a nação brasileira a “louvar” a prática homossexual.
Blog Julio Severo: O que você pensa da forte política moderna dos EUA, que apenas algumas décadas atrás eram uma potência protestante, de liderar o imperialismo homossexual internacional?
Eduardo Rocha: Tenho acompanhado a grande pressão das Nações unidas e do Governo Norte-Americano que sob o pretexto dos direitos humanos querem impor a libertinagem sexual a todas as nações do planeta, principalmente a países como Nigéria, Uganda e países africanos, inclusive com sérias sanções a estes países se os mesmos não seguirem a agenda gay.  Não existe consenso na ONU se um grupo pode ser inserido nos Direitos Humanos pelo fato de terem um comportamento sexual, porém, o Governo Americano tem pressionado para que os direitos dos gays sejam incluídos na agenda oficial das Nações Unidas. Creio ser isto uma afronta aos fundamentos do próprio EUA e um ato isolado de pessoas hoje que detêm o poder nesta nação, mas que querem se impor buscando no fundo os seus próprios interesses.
Recentemente estive com duas famílias americanas que estão visitando o Brasil e conversei com os adolescentes desta família. Esta conversa me encheu de esperança, pois vi que estes jovens entre 13 e 17 anos, têm plena consciência do que está acontecendo e não concordam em nada com isso. Ao conversar com estes jovens, percebi que Deus trará uma resposta a esta nação, não através de juízo necessariamente, mas levantando jovens cheios do Espírito de Deus e conhecimento da Verdade para dizerem que este desejo do presidente Obama de impor a agenda gay ao mundo, não é o desejo das famílias americanas. 
Blog Julio Severo: O que você acha do PLC 122 e outras leis que criminalizam a opinião cristã contra as práticas homossexuais?
Eduardo Rocha: Acredito que este tipo de projeto, do ponto de vista jurídico e político é uma afronta à liberdade religiosa em nosso país e aos princípios constitucionais. Acredito que a ameaça à liberdade religiosa é uma ameaça a todas as demais liberdades. A liberdade religiosa é a mais fundamental das liberdades e qualquer projeto de Lei neste sentido, principalmente em um país tão pluralista religiosamente e democrático, como é o Brasil, é um retrocesso. Sob o pretexto de se defender diretos de uma minoria, estes projetos querem privilegiar estes cidadãos e tornar crime a liberdade de fé, crença e expressão, contradizendo assim um direito fundamental.
Blog Julio Severo: Como as igrejas devem lidar com homossexuais que chegam aos seus templos pedindo ajuda?
Eduardo Rocha: Devem tratá-los com amor e respeito, incluindo-os e não excluindo-os, acolhendo e não expondo-os, discipulando-os através do relacionamento e exemplo, e não somente pelo ensino e exposição didáticos. Sem relacionamento, o discipulado é ineficaz.
As igrejas, de maneira geral, não estão preparadas para receber o homossexual. Existe ainda muito desconhecimento sobre o assunto, como deve ser feita a abordagem e muito medo e preconceito. Precisamos inicialmente admitir como igreja a nossa incapacidade, confessando inclusive os nossos erros.
Existe a necessidade de se tratar com especificidades as questões relacionadas à sexualidade. Da mesma maneira como a igreja tem se preparado para lidar com as crianças, utilizando-se de uma linguagem apropriada e de estratégias próprias para a abordagem da palavra e assim como se tem utilizado de ferramentas para falar com mulheres, com homens, com casais, com jovens, com pessoas que têm problemas com álcool ou drogas, é necessária uma abordagem específica aos homossexuais. Não só de quem está na prática da homossexualidade, mas aqueles que estão presos a vícios sexuais, poligamia, práticas sexuais erradas entre casais e até casos de bestialismo (sexo com animais) e pedofilia (sexo com crianças), bem como traumas por abusos.
A igreja precisa se capacitar para estas abordagens, criando um ambiente seguro para confissão de pecados, acompanhando de perto estas vidas que de alguma forma procuram o refúgio do Senhor.
É fato que o número de homens envolvidos na prática homossexual é maior que o número de mulheres e há uma grande necessidade de que estes homens sejam “adotados” por outros homens na igreja. Se partirmos do pressuposto que há um abismo entre o universo masculino, uma figura paterna atenciosa e emocionalmente presente e os homens homossexuais, faz todo sentido que estes homens possam encontrar na igreja outros homens, maduros e capacitados para suprir este abismo. No entanto, na prática, a grande maioria das pessoas que se aproximam de um rapaz homossexual que chega à igreja, são mulheres. Aqui demos um pequeno exemplo a respeito desta abordagem e a palavra de ordem é capacitação.
Hoje no Brasil já existe vasto material publicado sobre o assunto, apesar de ainda pouco conhecidos. Há também diversos ministérios que se especializaram no tema, mas que tem pouca visibilidade e recursos financeiros.  A maioria destes ministérios não pertence a grandes denominações e por isso muitas vezes achá-los se torna uma tarefa difícil.
Blog Julio Severo: Como as igrejas devem lidar com a militância gay organizada que pressiona os cristãos a se renderem diante das exigências da agenda gay?
Eduardo Rocha: Com sabedoria, discernimento, amor e firmeza. Vamos sempre pregar contra o pecado e a favor das pessoas. Não podemos aceitar as provocações e ao mesmo tempo precisamos ser firmes em nosso posicionamento, evitando sempre que possível o confronto.
Precisamos entender que esta militância é formada por pessoas e assim como Paulo o Apóstolo estava se dirigindo contra os cristãos, estas pessoas estão fazendo o mesmo. Precisamos entender que a nossa luta não é contra pessoas, mas contra principados e que, portanto, devemos condenar as atitudes, as ideias, a agenda gay e não as pessoas. Devemos rechear os nossos discursos e principalmente a nossa prática com mais amor e tolerância aos gays, deixando sempre claro que a nossa intolerância é em relação ao pecado.
Muitas vezes não deixamos claro para as pessoas que estão na prática da homossexualidade que o nosso sentimento por elas é de amor e que desejamos apenas compartilhar com elas aquilo que cremos e que esta fé poderá fazer de cada uma delas pessoas mais felizes, mais completas e cheias de Deus.
Sem dúvida muitos nos desprezarão, mas quando eu for desprezado, ainda assim amarei até os meus inimigos, recomendando a cada um deles ao Senhor, na esperança de que sejam salvos. Meu desejo é que o mesmo amor que me alcançou quando eu era inimigo de Deus, possa alcançá-los também. Se ainda assim eles quiserem me matar, estou disposto a morrer por amor a Cristo, certo de que a morte pra mim é lucro e o viver é Cristo, pois agora, se minha carne, paixões e desejos estão crucificados com Ele, já não sou mais eu quem vivo, mas Cristo vive em mim.
Blog Julio Severo: Grandes denominações protestantes nos EUA, inclusive a presbiteriana e a luterana, estão ordenando pastores homossexuais. O que os cristãos brasileiros precisam fazer para se proteger dessa influência da apostasia americana e da teologia gay?
Eduardo Rocha: Precisamos ser coerentes com a nossa fé, viver o evangelho e cada cristão precisa ser a expressão viva da pessoa de Jesus Cristo.
As igrejas que tem se perdido na chamada teologia inclusiva ou outras tantas teologias, bem diferentes da doutrina de Cristo, na verdade se perderam na sua própria identidade e propósitos. Devemos nos conformar a Cristo e a Sua Palavra e não esperar que a Palavra se conforme a nossa vontade, desejos e estilo de vida. Quando o homem passa a ser o centro de tudo, a igreja deixa de ser igreja, perde o seu sal, a sua relevância e a sua própria essência. Nós precisamos aprender com a história da igreja. O que aconteceu em países como a França, que chegou a ter quase 100% de cristãos e hoje chega a uma minoria, onde igrejas se transformaram em bares, boates e até museus? O que aconteceu na Europa é um exemplo pra nós.
As igrejas tornaram-se fechadas, um fim em si mesmas, o dinheiro, prosperidade e bem estar passaram a ser os alvos e o partir do pão e o relacionamento passaram a não ter mais importância. Além disso, a igreja não se atentou para as próximas gerações, negligenciando no discipulado e em passar os seus valores as crianças e jovens.
Os jovens não foram valorizados, não se “passou o bastão”, não foi transmitida responsabilidade a estes e então a igreja morreu com os velhos pastores e anciãos. Corremos estes mesmos riscos se não nos atentarmos a transferência da liderança aos mais jovens, se a liderança das igrejas envelhece, a própria igreja envelhece e a pregação do evangelho torna-se sem vigor. A nossa geração não pode ser usada apenas como “força de trabalho”, mas sim como voz profética, dando a igreja a direção e o sentido. A igreja brasileira, se não mudar o seu rumo, corre também o risco de envelhecer e tornar-se irrelevante.
Blog Julio Severo: Quase vinte anos atrás, quando Marta Suplicy apresentou um projeto de lei de união civil homossexual, ela negou completamente que o alvo era casamento e adoção de crianças por duplas gays. Vinte anos depois, o alvo deles é claro: casamento e adoção. Você acha que há mais objetivos que eles querem conquistar a curto ou longo prazo, embora neguem hoje?
Eduardo Rocha: Há sem dúvida uma cultura de morte sendo pouco há pouco inserida em nossa sociedade e os objetivos desta cultura é separar cada vez mais o homem de Deus. Creio que por trás deste movimento há uma clara pretensão de se legalizar a relação sexual com crianças, a prostituição infantil e a desmoralização completa da sociedade, tornando legal inclusive o homicídio de crianças indefesas através das leis pró-aborto.
A igreja é a força de resistência, o contraponto da luta do bem contra o mal e para isso, precisamos ser coerentes entre o discurso e a prática da vida cristã. Que o Senhor nos dê quantas oportunidades forem possíveis para sermos Sal da Terra e Luz para este mundo.
Blog Julio Severo: Qual é o seu ministério hoje?
Eduardo Rocha: Atualmente faço parte do corpo de liderança da Igreja Cristã Sal da Terra no Bairro Jardim das Palmeiras em Uberlândia, Minas Gerais. Esta Igreja funciona como um Centro Educacional Infantil que educa 75 crianças entre 0 e 3 anos. Eu e minha esposa, Genoveva Rocha atuamos como líderes de jovens nesta congregação. Atuamos através de pregações, discipulado e aconselhamento bíblico.
Estamos à frente da Associação de Amigos da Missão Infantil, entidade que atua no combate e prevenção ao abuso e exploração sexual contra crianças e adolescentes.
Através do Ministério Sexualidade Cristã, oferecemos seminários e palestras em outras igrejas para capacitar pessoas a lidarem com o assunto.
Um grupo de ajuda a pessoas em conflito com a sexualidade funciona na igreja ás quintas-feiras à noite e temos ainda um projeto, em parceria com o Mil (Ministério Interdenominacional de Libertadores) que é a Escola Sexualidade Cristã, que acontecerá em Janeiro e Julho de 2014 com a duração de 03 semanas na cidade de Uberlândia.
As informações sobre nosso Ministério estão disponíveis no site www.eduardoegenoveva.com.br
Blog Julio Severo: Você tem livros publicados?
Eduardo Rocha: Atualmente estou trabalhando em meu primeiro livro, com previsão para ser lançado no ano que vem. Nele vou contar mais detalhes sobre a minha história e conversão, os desafios do casamento e o processo de restauração da identidade sexual.
Hoje temos um DVD que aborda o assunto, com cerca de 03 horas de ministrações. O DVD pode ser adquirido pelo site.
Blog Julio Severo: Como você alcança homossexuais?
Eduardo Rocha: Muitas pessoas nos procuram, principalmente através do nosso site, mas infelizmente, por escassez de recursos, não temos uma estrutura para atender a todos. Nosso projeto é ampliar a nossa capacidade de atendimento e expandir o Ministério Sexualidade Cristã através da capacitação de novos líderes.
Queremos em breve produzir outros materiais em vídeo e transmitir alguns de nossos encontros pela internet. Já estamos trabalhando na publicação de um livro e atualmente atuamos através de palestras, capacitação, aconselhamento e discipulado.
Blog Julio Severo: Seu ministério ajuda apenas homossexuais ou também outras pessoas oprimidas?
Eduardo Rocha: Trabalhamos com homossexuais, jovens, crianças, pessoas com traumas de abuso sexual e pessoas viciadas em pornografia e compulsivos sexuais. Alguns pais de homossexuais também nos procuram para aconselhamento.
Blog Julio Severo: O que você aconselharia aos intercessores, que clamam diante de Deus pela libertação dos homossexuais e contra o imperialismo homossexual que está sendo imposto sobre crianças e famílias?
Eduardo Rocha: Terem como alvo primeiro a Salvação das almas, nomeando e recomendando diante de Deus os líderes deste movimento. Uma das coisas mais marcantes em minha vida foi quando ao compartilhar sobre minha história em uma igreja, fui abordado por um homem que se apresentou como sendo funcionário da emissora que transmitia o meu antigo programa de TV e que disse que era responsável por colocar o programa no ar. Ele me relatou que todos os dias quando colocava o programa, se ajoelhava diante do monitor e intercedia pela minha vida, pedindo perdão pelos meus pecados e declarando a libertação sobre a minha vida. Outro exemplo é a Vanusa, pedagoga que acompanha o nosso ministério e que também foi levantada pelo Senhor para ser uma intercessora naquela época e que viu através do meu testemunho a sua oração respondida. Cremos que a oração pode muito quanto aos seus efeitos. Orem para que Deus levante pessoas capacitadas principalmente nas áreas de mídia e política. Que o Senhor levante pessoas para interferirem no conteúdo programático das emissoras de TV, também no conteúdo educacional das escolas públicas da nossa nação e legisladores que tenham um compromisso com a fé Cristã.
Que Deus capacite os pais a prevenirem o comportamento homossexual na vida de seus filhos e que o Senhor transforme a cultura da nossa nação através da influência coerente da igreja.
Blog Julio Severo: Qual a mensagem que você daria às igrejas nestes tempos em que se aproxima uma ditadura gay?
Eduardo Rocha: Igreja não se cale, mas que a sua voz seja firme o suficiente para deixar claro que o pecado é pecado e doce o suficiente para demonstrar o amor de Cristo aos perdidos.
Leitura recomendada: