30 de junho de 2014

Suécia Soviética? Nação que no passado era modelo se transformando em país de terceiro mundo


Suécia Soviética? Nação que no passado era modelo se transformando em país de terceiro mundo

Dale Hurd
ESTOCOLMO, Suécia — Quando o presidente Barack Obama visitou a Suécia no ano passado, ele expressou sua profunda admiração pelo modelo sueco. Mas isso deveria deixar os americanos um pouco nervosos.
Um relatório da ONU diz que a Suécia será um país de terceiro mundo em 15 anos, abaixo da Líbia e Bulgária. A Suécia é uma sociedade que crê que está avançando para o futuro, mas os críticos avisam que ela está avançando para o fundo do buraco.
A Suécia tem sido um laboratório de todos os tipos de experimentos sociais: os líderes suecos estão tentando construir a sociedade perfeita.
O país tem sido comparado a duas nações que também tentaram construir sociedades perfeitas: a Coreia do Norte e a União Soviética.
Na Suécia, se você não gosta do jeito que eles estão construindo a utopia, você não será fuzilado como na Coreia do Norte, mas poderiam tornar sua vida bastante desagradável, muito rapidamente.

Uma Sociedade Perfeita?

Um vídeo do YouTube, em inglês, mostra um jornalista de um dos principais tabloides da Suécia, o Expressen, confrontando um sueco em seu lar.
O homem, um professor, fez o que achou eram comentários negativos anônimos num site sobre problemas que os imigrantes estão provocando na Suécia.
Mas hackers esquerdistas ajudaram o jornal a rastreá-lo e outros como ele de modo que pudessem ser expostos diante da nação inteira como racistas. Outro homem, um gerente, foi demitido por causa disso.
A elite esquerdista da Suécia, junto com seus meios de comunicação, crê que a base principal de sua sociedade perfeita é o multiculturalismo: imigração em grande escala de algumas das nações mais pobres e atrasadas do mundo. Os suecos que discordam desse plano arriscam ser rotulados de racistas, fascistas e até nazistas.
“A imigração é o ponto de partida e o ponto de chegada. É o ponto mais importante para se provar que você é amistoso com os estrangeiros, que você é amistoso com a imigração,” disse Mikael Jalving, jornalista dinamarquês e autor do livro Absolut Sweden.
“Tudo se resume à sua postura sobre imigração, se você é hostil a ela. Logo que é ‘provado’ que você é hostil, você é marginalizado. Logo que ‘provam’ que você é racista ou fascista ou nacionalista, que é quase tão ruim, você não pode ter nenhum postura ou ponto-de-vista legítimo,” explicou ele.
Não importa se o modelo de imigração da Suécia está fracassando de forma miserável, se os testes escolares na Suécia estão caindo ou se o crime em algumas áreas está subindo nas alturas. Os imigrantes passaram uma semana incendiando o subúrbio Husby de Estocolmo um ano atrás.
Muitos judeus agora vivem com medo de ataques de imigrantes muçulmanos e estão deixando a Suécia.
Amun Abdullahi, jornalista de uma rádio sueca, partiu no ano passado e voltou para sua pátria, a Somália, depois que ela sofreu ataques na mídia sueca por causa de uma reportagem noticiosa sobre o radicalismo dos imigrantes muçulmanos na Suécia.
Ela disse na televisão sueca que Mogadishu, na Somália, era mais segura do que as áreas de imigrantes em Estocolmo.

Suécia ao estilo stalinista

E esqueça a mistura racial ao estilo americano em que os imigrantes algum dia aprenderão a se tornar suecos. Na Suécia, isso é ideia racista também.
Jalving disse que os suecos são obrigados a aprender com os imigrantes, não o contrário. Comprovadamente, a elite sueca tem ódio da cultura sueca.
“Assimilação está completamente fora de cogitação,” Jalving disse a CBN News. “Todos os principais partidos ririam [da palavra ‘assimilação’]. [Para eles] a palavra ‘assimilação’ é uma palavra nazista.”
A CBN News falou com vários jornalistas que descreveram uma atmosfera de estilo stalinista em que os cidadãos da Suécia agora têm medo de dizer qualquer coisa que poderia fazer com que eles fossem rotulados de “racistas” nos meios de comunicação.
“Se apontam para você e dizem que você é racista, então você não terá emprego, carreira, você pode perder sua família. Você não terá nenhum futuro,” disse a jornalista sueca Ingrid Carlqvist.
Carlqvist e o jornalista dinamarquês Lars Hedegaard dirigem o jornal Dispatch International, que faz cobertura de questões como imigração que a grande mídia da Suécia ignora.
Mas Carlqvist confessa que seu plano de manter um jornal tradicional fracassou porque os suecos estão assustados demais para ter a coragem de receber o jornal em seus lares.
“O medo é: e se o carteiro visse que você recebe esse jornal, ou se o seu vizinho visse? Então eles poderiam pensar que você é racista ou que você odeia muçulmanos,” disse Carlqvist.
“Achávamos que poderíamos fazer um impacto. Ainda achamos que podemos fazer um impacto, mas está difícil,” disse Hedegaard.
Dispatch International teve uma queda nas assinaturas online também, depois de frequentes ataques de hackers porque os suecos estavam de novo com medo de serem expostos. O site agora sobrevive mediante doações

Um País de Terceiro Mundo?

A Suécia se tornou uma nação em que alguns pontos-de-vista são simplesmente perigosos demais até para se ler.
“O que alguns pais suecos aconselham seus filhos hoje é não interferir na discussão pública, não expressar ideias tão chamadas ‘radicais’ acerca disto ou daquilo que critica o consenso na Suécia,” Jalving disse. “Eles serão prejudicados de uma forma ou de outra. Os suecos querem proteger seus filhos.”
“Essa é uma situação muito ruim porque você então vive num país em que você não pode resolver nenhum problema. Você nem mesmo sabe quais são os problemas,” disse Hedegaard.
Hedegaard, que é dinamarquês, quase foi morto no ano passado em Copenhague por um imigrante que chegou à sua porta e disparou um tiro nele.
Carlqvist, que é sueca, decidiu partir da Suécia por causa da perseguição que sofrem os que têm opinião diferente.
A Suécia não vai se tornar um país de terceiro mundo amanhã. Mas de acordo com um relatório, um dia será.
“Tínhamos um país perfeitamente bom,” Carlqvist disse. “Um país rico, um país legal, e em poucos anos, esse país desaparecerá.”
*Dale Hurd fez essa reportatem diretamente de Malmö, Suécia e Copenhague, Dinamarca.
Traduzido por Julio Severo do artigo da CBN News: Soviet Sweden? Model Nation Sliding to Third World
Leitura recomendada:

29 de junho de 2014

28 de junho de 2014

Por que creio que os dons sobrenaturais do Espírito Santo continuam hoje


Por que creio que os dons sobrenaturais do Espírito Santo continuam hoje

Rev. Sam Storms
Comentário de Julio Severo: O Rev. Sam Storms é um teólogo calvinista americano. Às vezes, parece que todo calvinista é cessacionista. Mas isso é tão verdade quanto dizer que todo calvinista é maçom. Graças a Deus, há calvinistas se levantando contra essas duas heresias no meio deles. No final deste artigo, há links para mais artigos sobre o mesmo assunto.
E então, por que sou continuísta? Seguem minhas razões (por favor note que escrevi diversos artigos que fornecem ampla evidência para os pontos que defendo, mas a limitação de espaço me permite apenas citá-los nominalmente. Todos podem ser encontrados no meu site.
Deixe-me começar com a presença sólida, certamente difundida e inteiramente positiva de todos os dons espirituais por todo o Novo Testamento (NT). Os problemas que surgiram na igreja de Corinto não se deram por conta dos dons espirituais, mas por pessoas imaturas. As advertências de Paulo não se referiam aos dons de Deus mas, sim, à distorção infantil, ambiciosa e orgulhosa da parte de alguns.
Além do mais, começando com o Pentecoste e percorrendo todo o livro de Atos, vemos que toda vez que o Espírito era derramado sobre os novos convertidos, eles experimentavam do seu carisma. Não há nada que indique que esses fenômenos eram restritos a eles e à época. Tais manifestações parecem ser tanto difundidas quanto comuns na igreja do NT. Os cristãos em Roma (Rm 12), Corinto (1 Co 12-14), Samaria (At 8), Cesareia (At 10), Antioquia (At 13), Éfeso (At 19), Tessalônica (1 Ts 5) e Galácia (Gl 3) experimentaram dos dons de milagres e revelação. É difícil imaginar como os autores do NT poderiam ter falado mais claramente sobre como deveria ser o Cristianismo da Nova Aliança. Em outras palavras, o fardo de provar o contrário está com o cessacionista. Se certos dons de uma classe especial cessaram, a responsabilidade de prová-lo depende dele ou dela.

Evidência extensa

Gostaria de apontar também a extensa evidência neotestamentária dos chamados dons milagrosos entre cristãos que não são apóstolos. Ou seja, vários homens e mulheres que não eram apóstolos, jovens e anciãos, em toda a extensão do império romano exerciam de maneira consistente esses dons do Espírito (e Estevão e Felipe ministravam no poder de sinais e maravilhas). Aqueles que exerciam os dons miraculosos mas não eram apóstolos são (1) os 70 que foram comissionados em Lucas 10.9, 19-20; (2) pelo menos 108 pessoas dentre os 120 que estavam reunidos no salão superior no dia de Pentecostes, (3) Estevão (At 6,7); (4) Felipe (At 8); (5) Ananias (At 9); (6) membros da igreja de Antioquia (At 13); (7) convertidos anônimos em Éfeso (At 19.6); (8) mulheres em Cesareia (At 21.8,9); (9) os irmãos sem nome de Gálatas 3.5; (10) crentes em Roma (Rm 12.6-8); (11) crentes em Corinto (1 Co 12-14); e (12) cristãos em Tessalônica (1 Ts 5.19,20).
Também temos que dar espaço para o objetivo explícito e frequentemente repetido do propósito dos carismas: nomeadamente, a edificação do corpo de Cristo (1 Co 12.7; 14.3; 26). Nada do que leio no NT ou do que vejo na condição da igreja em qualquer era, passada ou presente, me leva a crer que progredimos além da necessidade pela edificação – e consequentemente além da necessidade pela contribuição dos carismas. Eu confesso livremente que os dons espirituais foram essenciais para o nascimento da igreja, mas por que eles seriam menos importantes ou necessários para o crescimento e amadurecimento contínuos?
Há também a continuidade fundamental ou o relacionamento espiritual orgânico entre a igreja de Atos e a igreja dos séculos subsequentes. Ninguém nega que houve uma era ou período no começo da igreja que chamemos de “apostólica”. Temos que reconhecer o significado da presença pessoal e física dos apóstolos e o seu papel único na formação da fundação da igreja nos primeiros séculos. Mas não há no NT qualquer coisa que sugira que certos dons espirituais eram exclusiva e unicamente ligados a eles ou que os dons se encerraram com a partida deles. A igreja universal ou corpo de Cristo que foi estabelecida por meio do ministério dos apóstolos é a mesma igreja universal e corpo de Cristo hoje. Estamos juntos com Paulo, Pedro, Silas, Lídia, Priscila e Lucas, membros do mesmo corpo de Cristo.
Bem ligado ao ponto anterior é o que Pedro diz em Atos 2, referente aos ditos dons miraculosos como característicos da era pactual da igreja. Como já disse D. A. Carson: “A vinda do Espírito não está associada meramente com o nascimento da nova era, mas com a sua presença, não meramente com o Pentecoste, mas com todo o período do Pentecoste até o retorno de Jesus, o Messias” (em A Manifestação do Espírito, Ed. Vida Nova). Novamente, os dons de profecia e línguas (At 2) não são retratados como mera inauguração da nova era pactual, mas para caracterizá-la (não esqueçamos de que a era atual da igreja equivale aos “últimos dias”).
Devemos também notar 1 Coríntios 13.8-12. Nesse texto Paulo certifica que os dons espirituais não “passarão” (ver v.8-10) até a vinda do “perfeito”. Se o “perfeito” é realmente a consumação do propósito redentivo de Deus tal qual expressado pelo novo céu e nova terra seguindo a volta de Cristo, podemos confiantemente esperar que Ele continue a abençoar e capacitar a sua igreja com dons até aquela hora.
Um ponto semelhante aparece em Efésios 4.11-14. Aqui, Paulo fala de dons espirituais (junto com o ofício de apóstolo) – e particularmente dos dons de profecia, evangelismo, pastoreio e ensino – como construção da igreja “até que todos alcancemos a unidade da fé e do conhecimento do Filho de Deus, e cheguemos à maturidade, atingindo a medida da plenitude de Cristo” (V. 13, NVI – grifos meus). Já que a plenitude de Cristo certamente ainda não foi atingida pela igreja, podemos antecipar com confiança a presença e o poder de tais dons até que aquele dia chegue.
Gostaria de também apontar a ausência de uma noção explícita ou implícita de que devemos enxergar os dons espirituais de maneira diferente que outras práticas e ministérios neotestamentários retratados como essenciais à vida e ao bem estar da igreja. Quando lemos o NT, parece evidente que a disciplina na igreja deve ser praticada em nossas assembleias atuais, devemos celebrar a mesa do Senhor e o batismo com água e que os requerimentos para o exercício do ancião como descrito nas epístolas pastorais ainda determinam como a vida na igreja deve ser levada, citando apenas alguns. Quais boas razões exegéticas ou teológicas podem ser dadas para explicar por que devemos tratar a presença e operação dos dons espirituais de maneira diferente?

Testemunho consistente

Ao contrário do que muitos pensam, há um testemunho consistente ao longo de grande parte da história da Igreja referente à operação dos dons miraculosos do Espírito. Simplesmente não é verdade que os dons cessaram ou desapareceram da vida no começo da Igreja após a morte do último apóstolo. O espaço não permite citar a evidência maciça concernente, então me referirei a quatro artigos que escrevi com uma documentação extensa (ver Spiritual Gifts in Church History).
Cessacionistas frequentemente argumentam que sinais e maravilhas, assim como certos dons, serviram somente para confirmar e autenticar o grupo original de apóstolos e que quando esses morreram, também cessaram os dons. A verdade é que nenhum texto bíblico (nem mesmo Hb 2.4 ou 2 Co 12.12, dois textos que explico em artigos no www.samstorms.com) chega a dizer que sinais e maravilhas ou certos dons espirituais serviram para autenticar os apóstolos. Sinais e maravilhas autenticaram Jesus e a mensagem apostólica referente a ele. Se sinais e maravilhas foram designados exclusivamente para autenticar os apóstolos, não temos como explicar porque pessoas que não eram apóstolos (como Felipe e Estevão) foram capacitados a exercê-los (ver especialmente 1 Co 12.8-10, onde o “dom” de “milagres”, entre outros, foi dado a crentes medianos, que não eram apóstolos).
Portanto, essa é uma boa razão para ser cessacionista apenas se você puder demonstrar que a autenticação ou testificação da mensagem apostólica era o propósito único e exclusivo de tais demonstrações de poder divino. Todavia, em nenhum lugar do NT o propósito ou função dos milagres ou carismas é reduzido à testificação. O agir miraculoso, em qualquer forma que seja, servia a outros propósitos distintos: doxológico (para glorificar a Deus: Jo 2.11, 9.3, 11.4, 11.40 e Mt 15.29-31); evangelístico (para preparar o caminho para que o Evangelho fosse conhecido: ver At 9.32-43); pastoral (como expressão de compaixão e amor e cuidado com as ovelhas: Mt 14.14; Mc 1.40,41); e edificação (para levantar e fortalecer os crentes: 1 Co 12.7 e o “bem comum”; 1 Co 14.3-5, 26).
Todos os dons do Espírito, seja línguas ou ensino, profecia ou misericórdia, cura ou auxílio, foram dados (dentre outras razões) para a edificação, fortalecimento, encorajamento, instrução, consolo e santificação do corpo de Cristo. Então, mesmo que o ministério dos dons miraculosos para atestar e autenticar tenha cessado, um ponto que concedo apenas para efeitos de argumentação, tais dons teriam que continuar a funcionar na igreja pelas outras razões citadas.

Ainda final e suficiente

Talvez a objeção mais comum dos cessacionistas seja que reconhecer a validade dos dons de revelação, como profecia e palavra de conhecimento, necessariamente compromete a finalidade e suficiência das Escrituras Sagradas. Mas esse argumento é baseado na falsa suposição de que esses dons nos dão verdades infalíveis com igual autoridade à do próprio texto bíblico (veja o meu artigo “Why NT Prophecy Does NOT Result in ‘Scripture-Quality’ Revelatory Words“).
Também é mencionado o apelo cessacionista a Efésios 2.20, como se esse texto descrevesse todo o possível ministério profético. O argumento diz que os dons de revelação como profecia foram unicamente ligados aos apóstolos e portanto designados para funcionar apenas durante o dito período de fundação da igreja nos primeiros séculos. Abordo esta visão fundamentalmente errônea em detalhe aqui. Um exame cuidadoso das evidências bíblicas referentes tanto à natureza do dom de profecia quanto à sua extensa presença entre cristãos indica que este dom servia a outros propósitos muito além da fundação da igreja. Portanto, nem a morte dos apóstolos, nem o desenvolvimento da igreja além dos seus primeiros séculos têm importância sobre a validade de profecias para hoje. Também é citado com frequência o argumento do agrupamento, por assim dizer, que diz que os fenômenos miraculosos e sobrenaturais foram supostamente concentrados ou agrupados em períodos específicos na história redentora. Já abordei este argumento num outro artigo e mostrei que é falso.
Finalmente, apesar de tecnicamente não ser uma razão ou argumento para ser um continuísta, não posso ignorar a experiência. O fato de que eu já vi todos os dons espirituais sendo operados, de ter testado e confirmado e os experimentado em primeira mão em inúmeras ocasiões. Como afirmei, esta não é tanto uma razão para se tornar um continuísta, e mais uma confirmação (apesar de não ser infalível) da validade dessa decisão. A experiência, isolada do texto bíblico, prova muito pouco. Mas a experiência deve ser considerada, especialmente se esta ilustra ou incorpora aquilo que vemos na palavra de Deus.
Nota – Abertos para Reforma: texto traduzido com autorização de The Gospel Coalition, publicado originalmente no dia 23 de janeiro de 2014 aqui.
Divulgação: www.juliosevero.com
Leitura recomendada:
Martinho Lutero e o cessacionismo

27 de junho de 2014

Papa celebra missa junto com ativista gay


Papa celebra missa junto com ativista gay

Julio Severo
LifeSiteNews, que é o maior portal católico pró-vida do mundo, noticiou sobre o Papa Francisco celebrando missa com o Pe. Michele, um dos maiores ativistas homossexuais da Itália.
Papa Francisco I beija mão de Pe. Michele, notório ativista homossexual da Itália
Meses atrás, o papa foi capa da maior revista homossexual do mundo — gesto significativo dos ativistas gays americanos, que acham que esse papa tem muito mais a favor do que contra sua causa.
Se Jesus estivesse no lugar do papa diante do Pe. Michele, o que Ele faria? Ele diria: “Você não precisa de cargo de padre, bispo ou pastor. Você precisa ser liberto da opressão do pecado homossexual. Você quer ser liberto?”
Se a resposta fosse sim, Jesus o libertaria e diria: “Venha e siga-me. Vou lhe ensinar a ser meu discípulo.”
Se a resposta fosse não, Jesus diria: “Você não pode ser padre, bispo e pastor e ao mesmo tempo viver debaixo da opressão do homossexualismo. Como você poderá libertar os cativos e destruir as obras do diabo com a autoridade do Meu Nome se você é cativo e as obras do diabo não foram destruídas em sua vida?”
Enquanto o padre ativista gay não é liberto, o mínimo que se poderia fazer por ele é não mantê-lo no cargo de padre.
Só não vou fazer uma crítica pesada porque esse é um problema do quintal católico. As críticas pesadas deixo para o quintal evangélico.
Papa Francisco I realiza missa com Pe. Michele
Eis agora o trecho principal do artigo “Pope kisses the hand of, concelebrates mass with pro-homosexual activist priest” de LifeSiteNews, traduzido por mim:
O Papa Francisco causou espanto no começo de maio ao concelebrar missa com um padre que é um dos principais ativistas homossexuais da Itália e está fazendo campanhas para que a Igreja Católica mude seu ensino sobre a homossexualidade. O papa também beijou a mão do padre. Em 6 de maio, Francisco recebeu o padre de 93 anos que cofundou Agedo Foggia, uma organização de ativistas homossexuais que se opõe ao ensino da Igreja Católica.
O Pe. (Don) Michele de Paolis concelebrou missa com o Papa Francisco no Domu Santa Marta e então deu de presente ao pontífice um cálice de madeira, um pratinho e um exemplar de seu mais recente livro “Querido Don Michele — perguntas para um padre inconveniente.”
Num livro anterior, Don Michele escreveu: “o amor homossexual é um dom de (Deus) que em nada é inferior ao amor heterossexual.”
Leitura recomendada:

26 de junho de 2014

Por que nunca mais serei presbiteriano


Por que nunca mais serei presbiteriano

Joseph Farah
Comentário de Julio Severo: Joseph Farah, autor deste artigo, é dono do WND, um dos maiores portais conservadores dos EUA, e denuncia o avanço da maior denominação presbiteriana dos EUA em atitudes a favor do “casamento” gay e contra Israel. Tudo isso é fruto do liberalismo teológico. É um triste exemplo, pois no Brasil o mesmo liberalismo, de orientação esquerdista, também está avançando, e haverá frutos. No final deste artigo, há vários links com mais alertas sobre questões de “casamento” gay, Israel e presbiterianos nos EUA e no Brasil, para ajudar você a entender o que o liberalismo teológico fez com os presbiterianos dos EUA e o que está fazendo com os presbiterianos do Brasil.
Detesto confessor isso.
Mas já fui membro da Igreja Presbiteriana dos EUA (conhecida pela sigla PCUSA).
Foi muito tempo atrás, mas posso lhe garantir que não voltarei. Faz muito tempo que deixei, de forma definitiva. Nunca pensei em voltar.
Para mim, essa denominação está morta.
Joseph Farah
Não fique ofendido se você ainda é membro. Só dê uma olhada no que está acontecendo em sua igreja — da qual você é parte, onde seus dízimos e ofertas estão sustentando. É uma agenda maligna. Está completamente errada aos olhos de Deus.
Na semana passada, houve duas afrontas da Assembleia Geral, a direção dessa denominação apóstata do inferno.
Primeiro, ela votou por 429 votos contra 175 votos para aprovar o “casamento” homossexual — mudando a linguagem que definia o casamento como uma união entre um homem e uma mulher para “duas pessoas.” Os 172 presbitérios dessa denominação votarão sobre essa mudança no próximo ano, mas com uma votação pervertida dessas, não tenho muita esperança de uma rebelião a nível dos membros. Num assunto relacionado, a assembleia votou por 328 votos contra 238 para permitir que os pastores da denominação presidam sobre “casamentos” homossexuais em jurisdições em que tais uniões são legais.
O Comitê Laico Presbiteriano chamou essa atitude de “uma abominação.” Tenho novidades para essa gente: Quando sua “igreja” começar a aprovar abominações, é hora de procurar outra igreja. Para mim é um mistério: não sei por que essa gente está demorando tanto para sair. Em 2011, a Assembleia votou para ordenar pastores que têm parceiros homossexuais.
É claro que encontrar outra igreja que não zombe do Deus que afirma adorar não vai ser fácil. A Igreja Episcopal começou a permitir a bênção de “casamentos” homossexuais no ano passado. A Igreja Unida de Cristo permite esses casamentos desde 2005. A Igreja Evangélica Luterana nos EUA permite que pastores de igrejas individuais decidam.
O “casamento” homossexual não é apenas uma abominação. É contraditório.
O Deus da Bíblia literalmente definiu o casamento no Jardim do Éden. Essa definição foi confirmada por Seu Filho Jesus durante Seu ministério terreno — mais prova de que Deus não muda de ideia. Ele é o mesmo ontem, hoje e amanhã. Ele não comete erros. Ele faz tudo certo desde a primeira vez. Aliás, Ele define o que é certo — e errado. E Ele é aquele que chamou o próprio ato dos homens deitando com homens e mulheres deitando com mulheres de “abominação.”
Uma coisa é um ateu apoiar essa ideia passageira.
Uma coisa é um humanista secular agnóstico apoiá-la.
Uma coisa é um não-cristão ou não-judeu apoiá-la.
Mas é outra coisa inteiramente diferente alguém que afirma crer que a Bíblia é a Palavra de Deus ou se chama cristão fazer isso — sem mencionar uma denominação inteira.
É simplesmente herético, sem mencionar irracional.
Poucas coisas poderiam ser mais claras na Bíblia do que a postura de Deus sobre o fato de que o casamento é uma instituição criada exclusivamente para homens e mulheres.
A primeira menção de casamento na Bíblia vem no começo — em Gênesis 2:24 — onde está escrito, depois da criação de Eva: “Portanto deixará o homem o seu pai e a sua mãe, e apegar-se-á à sua mulher, e serão ambos uma carne.” (ACF)
É interessante que a maioria dos usos da palavra “apegar-se” na Bíblia envolve mandamentos dados por Deus para “se apegar” a Ele. E a Bíblia é cheia de paralelos entre o casamento de homens e mulheres e o relacionamento entre o povo e Deus.
Evidentemente, há muitos tão chamados “cristãos” que não levam a sério o Antigo Testamento. Não faz muito sentido, pois é o Antigo Testamento que profetiza o futuro Messias e as credenciais daquele ao qual todos os verdadeiros cristãos adoram como o Filho de Deus e seu redentor — Jesus.
Mas vamos colocar de lado por enquanto essa contradição. Qualquer um que se classifica de cristão, um seguidor de Jesus, não tem desculpa nenhuma sobre a definição do casamento, pois o próprio Jesus o definiu — não num, mas em dois registros do Evangelho.
Em Mateus 19:4-5, Ele disse: “Não tendes lido que aquele que os fez no princípio macho e fêmea os fez, E disse: Portanto, deixará o homem pai e mãe, e se unirá a sua mulher, e serão dois numa só carne?” (ACF)
De modo semelhante em Marcos 10: 6-9, Ele disse: “Porém, desde o princípio da criação, Deus os fez macho e fêmea. Por isso deixará o homem a seu pai e a sua mãe, e unir-se-á a sua mulher, E serão os dois uma só carne; e assim já não serão dois, mas uma só carne. Portanto, o que Deus ajuntou não o separe o homem.” (ACF)
Nessa última frase, “não o separe o homem,” Jesus estava falando sobre o rompimento de um único casamento. Foi um alerta contra a pilhagem do divórcio. Contudo, tem aplicações mais irrefutáveis para os que buscam separar a instituição inteira do casamento redefinindo-a conforme a mais recente moda popular.
Os Estados Unidos estão numa crise moral e espiritual neste momento. Os sinais estão em toda arte. O pecado está desenfreado. Todo homem faz o que é certo aos seus próprios olhos. Deus deu uma prescrição para tempos como estes em 2 Crônicas 7:14: “E se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face e se converter dos seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra.” (ACF)
Eu ainda sustento a esperança de que Seu povo, que é chamado por Seu nome, se humilhará e orará e buscará Sua face e se arrependerá de seus caminhos maus. Eu gostaria que Deus ouvisse isso. Eu gostaria que Ele perdoasse nosso pecado. Eu gostaria que Ele curasse nossa terra. Mas essa decisão da PCUSA não é um bom sinal — bom de jeito nenhum. Isso é apostasia descarada e deliberada. Incentiva o pior tipo de juízo.
Mas isso não é tudo! A corrupta e não arrependida Igreja Presbiteriana dos EUA não cometeu apenas um ato chocante.
Um dia depois dessa votação, a mesma direção votou por 310 votos contra 303 para apoiar campanhas para que todos os membros da denominação parem de investir em empresas que fazem negócio com Israel.
Por que?
Por que a ênfase na PCUSA está no PC — para politicamente correto. Israel é o presente de Deus para as nações do mundo. Isso não significa que o Estado de Israel seja perfeito. É governado por seres humanos. Mas é a menina dos olhos de Deus, conforme ficamos sabendo em Zacarias 2:8. Quem deve disciplinar Israel é Deus. É Ele que tem uma aliança eterna com Seu povo.
Não só isso, mas é nessa promessa a Israel mediante a qual os que não são judeus são “enxertados.”
“Estabelecerei minha Aliança entre mim e ti, e teus futuros descendentes, de geração em geração, uma Aliança perpétua, para ser o teu Deus e o Deus te tua raça, depois de ti. A ti, e à tua descendência depois de ti, darei a terra que hoje habitas como estrangeiro, toda a terra de Canaã, em possessão eterna, e Eu serei o vosso Deus!” (Gênesis 17:7-8 KJA)
Israel representa a maior prova de que Deus é real. É um exemplo vivo da profecia bíblica cumprida.
“Então as nações saberão que Eu Sou Yahweh, o Eterno e Soberano, quando Eu for santificado diante delas, assevera o SENHOR Deus. Porquanto vos tirarei dentre as nações e vos reunirei de todas as terras e os conduzirei de volta para a vossa própria terra.” (Ezequiel 36:23-24 KJA)
 “‘Contudo, estão chegando os dias’, afirma o SENHOR, ‘quando já não mais se dirá: “Juro pelo Nome de Yahweh, que libertou os israelitas do Egito.”’ Antes dirão: ‘Juro pelo Nome de Yahweh, que trouxe os israelitas do Norte e de todos os países para onde ele os havia expulsado’. Eu os conduzirei de volta para a sua terra, terra que dei aos seus antepassados.” (Jeremias 16:14-15 KJA)
É isso o que o moderno Estado de Israel representa.
Mas é claro que os líderes da PCUSA não sabem ou não se importam com a Bíblia. É claro que eles não conhecem a mente do Deus que afirmam adorar. Mas até mesmo uma pessoa espiritualmente cega e racional deveria estar em condições de ver a razão por que esse movimento que boicota investimentos em Israel é tão errado. Será que Israel é uma das piores nações da terra? Claro que não. É uma das melhores. Será que Israel é uma das maiores nações da terra? Não, é uma das menores. Israel oprime seu povo? Não, Israel oferece mais liberdade do que a maioria das nações da terra. Israel oprime seus vizinhos? Não, Israel está cercado de nações que buscam destruí-lo, mas mostra contenção extraordinária ao lidar com eles — constantemente se inclinando para trás para fazer paz quando parece impossível.
Fico pensando: quais são os outros países que estão sendo alvos da campanha de boicote da PCUSA? Será que a PCUSA está boicotando países que perseguem os crentes em Jesus? Será que está boicotando os países que massacram seu próprio povo? Será que está boicotando os países que patrocinam o terrorismo? Será que está boicotando os países que matam de fome seu próprio povo? Será que está boicotando os países que ainda permitem a escravidão? Será que está boicotando os países que oprimem as mulheres? Será que está boicotando os países que fazem limpeza étnica em sua população?
Não, está boicotando a terra de Deus. Está boicotando o único país verdadeiramente livre no Oriente Médio. Está boicotando uma nação pequenininha que está sofrendo agressões de todos os cantos do mundo. Está boicotando o único refúgio para as pessoas mais perseguidas do mundo. Está boicotando o povo escolhido de Deus.
É por isso que é tempo de desinvestir seu tempo, dinheiro e energia se você ainda é membro da Igreja Presbiteriana dos EUA.
Traduzido por Julio Severo do artigo do WND: Why I will never be a Presbyterian, again
Leitura recomendada:
Sobre Igreja Presbiteriana:
Sobre Israel:
Sobre “casamento” gay:
Liberalismo na Igreja Presbiteriana do Brasil:

25 de junho de 2014

Caio Fábio: Da instrução à burrice e à loucura cósmica


Caio Fábio: Da instrução à burrice e à loucura cósmica

Julio Severo
Em entrevista ao humorista Danilo Gentili no programa The Noite em 23 de junho de 2014, Caio Fábio fez o que mais gosta de fazer: ficar sob os holofotes. Onde quer que haja um trono com holofotes, Caio será sorrisos e alegria.
Malhando como sempre faz os evangélicos, ele disse que “os evangélicos ficaram burros” e que o “povo evangélico precisa de instrução.”
Ele afirmou que passou mais de 30 anos, como pastor presbiteriano, instruindo desde “os luteranos aos neopentecostais.” Mas que instrução era essa que acabou deixando os evangélicos burros?
Caio era, em seus áureos anos de reverendo presbiteriano, um proclamador da Teologia da Missão Integral (TMI), que aproxima os evangélicos do socialismo. Na prática de bastidores, ele teve papel fundamental, na década de 1990, na aproximação dos evangélicos de Lula e do PT.
No programa humorístico The Noite, Caio disse que os evangélicos são “massa de manobra” de seus líderes. E quando Caio era o líder dos líderes, o pastor dos pastores? O que foi que ele fez então dos evangélicos? Massa de manobra de seus interesses “espirituais” na TMI e em Lula e no PT. Ele fez tudo isso, que ele classificou de “instrução” aos evangélicos, porque “queria dar parâmetros de saúde mental” aos evangélicos, conforme ele disse ao Gentili.
Só tem saúde mental quem está na TMI? Só tem saúde mental quem está no PT? Ou só tem saúde mental quem crê em ETs?
À pergunta de Gentili se Caio crê em “ETs e vida fora da terra,” Caio respondeu que “está aberto à multiplicidade de todas as existências cósmicas” e aberto também a “mundos paralelos,” bem ao estilo da melhor ficção de Hollywood. Ele pode ter desconfianças da Bíblia, especialmente o Antigo Testamento, que ele disse para a plateia de Gentili que “caducou.” E ele pode ter desconfianças maiores dos evangélicos. Mas sua confiança nos ETs é inabalável!
Se você não acreditar em ETs, Caio dirá que você é um brainless — palavra em inglês que significa “sem cérebro, burro, idiota.” Esse foi o termo que ele empregou para classificar os evangélicos diante da plateia de Gentili.
Pelo visto, os tais parâmetros de saúde mental de Caio se alargaram bastante. Se no passado suas ações nos bastidores se restringiam a ajudar os evangélicos a abraçar a TMI e o PT, hoje buscam levá-los a uma instrução cósmica de “mundos paralelos” e aliens de outros planetas. Essas ideias caem muito bem no The Noite e em outros programas humorísticos.
Quando não está ocupado elogiando ETs ou outras absurdas ideias extra-bíblicas, Caio está falando mal dos evangélicos.
Para outros, falar mal de um grupo de pessoas pode ser apenas um hábito mau. Para Caio, é isso e muito mais. É seu meio de sobrevivência. Se não falar mal dos evangélicos, seus bolsos se esvaziam. Por isso, ele mantém sua fixação, custe o que custar e doa a quem doer. Enquanto ele viver, sua língua amargurada “trabalhará,” pois ele se sente como um pai que criou e instruiu toda a uma geração de evangélicos — e de fato o fez, na TMI — e foi enxotado de casa pelos “filhos.”
Na sua eterna amargura e sentimento de que foi traído, no sentimento da perda do trono, que ele esperava fosse eterno, sua língua manterá o “alvo.” E mesmo que não houvesse nenhuma amargura, o que mudaria? Caio descobriu um filão de ouro na falação de mal dos evangélicos. Isso lhe rende visibilidade e dinheiro. Ele só vai calar quando caducar ou tiver uma overdose.
Um homem tão inteligente, mas que não consegue usar seu próprio conhecimento para sobreviver sem o uso da língua suja, difamatória e apóstata.
Mas inteligência e elevado conhecimento não são sinônimos de saúde mental. Indivíduos inteligentes são capazes de falar e cometer grandes loucuras.
A revista americana USA Today disse que até mesmo um psicopata consegue mostrar inteligência, charme e persuasão.
Os problemas mentais são também caracterizados por distúrbios e desordens no que uma pessoa fala e pensa.
Isso explica muita coisa no comportamento de Caio Fábio.
É evidente que a inteligência humana dele está acompanhada de confusão mental. Caio já foi denunciado defendendo o aborto e o homossexualismo, de acordo com suas próprias declarações, mas seus fãs suspiraram de alívio quando ele negou suas próprias palavras.
A sabedoria de Deus em nós não é a capacidade de entender tudo no universo. É a capacidade de viver para Deus de um modo que lhe agrade. Não tem nada a ver com alguma inteligência humana especial.
É inegável que Caio Fábio é um homem com elevada capacidade de retórica, argumentação e persuasão. Mas suas declarações de conhecimentos mirabolantes de extraterrestres e muitas coisas extra-biblicas e seus frequentes “disse-que-não-disse” mostram muito mais do que só confusão mental: revelam um coração sem o genuíno temor de Deus.
Inteligência humana não é espiritualidade, especialmente quando distorce os ensinos da Palavra de Deus. “Esse tipo de sabedoria não vem dos céus, mas é terrena; não é celestial, mas demoníaca”. (Tiago 3:15 KJA)
Uma sabedoria terrena sabe usar o Evangelho para entronizar o próprio ego.
Uma sabedoria terrena sabe astutamente levar os evangélicos à TMI e ao PT, mas ao ser rejeitada os xinga e malha, para a alegria dos humoristas.
Uma sabedoria terrena quer audiência. No passado, era através de seu status de maior pastor presbiteriano do Brasil. Hoje, através de programas humorísticos, desde que seja levado a sério em sua loucura-inteligência cósmica.
Se essa loucura-inteligência híbrida for o suficiente para lhe dar um pouco de holofote e trono dentro e fora do mundo gospel, Caio será louco-inteligente o resto da vida.
O testemunho dele é prova de que muita instrução humana leva a loucuras cósmicas.
Aquele que sempre instruiu e emburreceu os evangélicos quer prosseguir sua missão, emburrecendo quem quer que entre na esfera do seu “caminho da graça.” Mas ele mesmo possui uma “inteligência” cósmica demais para ser instruído.
“Ora, é impossível para aqueles que uma vez foram iluminados, experimentaram o dom celestial e se tornaram participantes do Espírito Santo, e provaram os benefícios da Palavra de Deus e os poderes da era que há de vir, mas apostataram da fé, sim, é impossível que tais pessoas sejam reconduzidas ao arrependimento; tendo em vista que contra si mesmos estão crucificando outra vez o Filho de Deus, e zombando publicamente dele. Porquanto a terra que absorve a chuva que cai de tempo em tempo, e dá colheita proveitosa àqueles que a cultivam, recebe a bênção de Deus. Todavia, a terra que produz espinhos e ervas daninhas é inútil, e logo será amaldiçoada. Seu fim é ser lançada ao fogo.” (Hebreus 6:4-8 KJA)
No fim, onde Caio espera os ETs, as coisas poderão ficar muito mais quentes do que suas loucuras cósmicas lhe garantem.
Leitura recomendada: