31 de outubro de 2016

Vitória de Marcelo Crivella para prefeito do Rio surpreende conservadores


Vitória de Marcelo Crivella para prefeito do Rio surpreende conservadores

Julio Severo
Estando acostumado às posturas vergonhosamente pró-aborto do Bispo Edir Macedo, fundador da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), foi uma grande surpresa, para mim e outros líderes pró-vida, ver o candidato a prefeito do Rio, Marcelo Crivella, fazendo um discurso depois de eleito domingo honrando os eleitores que o escolheram. Crivella é parente de Macedo e ex-bispo da IURD.
Marcelo Crivella
Em vídeo no Facebook, Crivella disse que a atitude dos eleitores o escolherem foi um “Não” ao aborto, um “Não” à liberação das drogas e um “Não” à ideologia de gênero. Esse reconhecimento público foi muito importante, pois os políticos eleitos hoje não se interessam pelas preocupações dos cidadãos. Crivella, mesmo sendo um socialista moderado, teve essa preocupação.
Aliás, o candidato opositor prometia promover a ideologia do aborto, das drogas e de gênero. Ele era um socialista radical.
Para encerrar com chave ouro, Crivella orou o “Pai Nosso” com católicos, evangélicos e pessoas de outras religiões, não sem antes agradecer o apoio do Pr. Silas Malafaia, da Igreja Católica, do Apóstolo Valdomiro Santiago da Igreja Mundial do Poder de Deus, da IURD e da Igreja Internacional da Graça, de R. R. Soares.
Um socialista moderado, que preza por valores cristãos e respeita a vontade pró-vida e pró-família dos cidadãos é muito mais necessário e importante do que socialistas ateus que atropelam a vontade do povo e desprezam a vontade de Deus.
A ideologia socialista ou marxista, quando manejada por não cristãos, gera morte. Quando manejada por um evangélico como Martin Luther King (que era adepto do Evangelho Social, que é a versão americana da TMI), gera resultados sociais aparentemente bons, com consequências difíceis de medir, mas nunca patentemente mortíferos quanto o socialismo ateísta puro.
Isso não torna a ideologia socialista boa, mas o Evangelho sempre amortece a malignidade do socialismo.
Minha vontade particular era que o Rio e o Brasil inteiro tivessem conservadores cristãos legítimos governando, mas se Deus quis um socialista moderado que respeita os valores cristãos, precisamos louvá-Lo. Pelo menos, ele está mais aberto ao diálogo do que um candidato socialista ateu obstinado.
Um tsunami conservador está varrendo o Brasil. De acordo com o jornal britânico Financial Times, “Evangélicos do Brasil estão empurrando a política para a Direita.”
O Financial Times destacou que o enorme crescimento evangélico no Brasil está produzindo uma guinada à Direita. A vitória de Marcelo Crivella para prefeito do Rio é evidencia disso. A guinada está beneficiando candidatos evangélicos como Crivella, que não eram muito conservadores, mas a guinada está produzindo milagres.
Essa guinada tem tudo a ver com os neopentecostais. A revista americana “Christian Century” (Século Cristão) disse: “Os neopentecostais estão liderando esse crescimento acelerado e estão contribuindo de modo incomparável para o desenvolvimento de uma ideologia política evangélica.”
Em seu discurso de vitória, Crivella começou muito bem e de forma muito humilde. Que Deus o ajude a permanecer assim. É dessa coragem que o Brasil precisa. Se ele continuar assim, ele chega fácil à presidência do Brasil.
Leitura recomendada:

30 de outubro de 2016

O presidente das Filipinas e os palavrões


O presidente das Filipinas e os palavrões

Franklin Graham
A Bíblia está cheia de relatos de Deus falando com as pessoas e Ele ainda fala hoje.
Rodrigo Duterte
Rodrigo Duterte, presidente das Filipinas, está no noticiário hoje porque chocou todo mundo ao dizer publicamente que Deus falou com ele.
O presidente Duterte tem uma reputação de ser boca suja. Ninguém parecia estar fora dos limites de seus palavrões — nem mesmo o papa ou o presidente dos Estados Unidos!
Duterte disse que enquanto todos estavam dormindo em sua viagem de avião para casa na quinta-feira, Deus falou com ele e lhe disse que parasse de falar palavrões — e ele prometeu a Deus que pararia. Fazer uma promessa a Deus é uma coisa séria.
Posso lhe garantir, Deus realmente vê e ouve o que está acontecendo, e Ele se importa com nossas vidas. Ele está falando com você? Você está prestando atenção e, mais importante, você vai obedecer?
Traduzido por Julio Severo do original em inglês do Facebook de Franklin Graham.
Leitura recomendada sobre a voz de Deus:
Outros artigos sobre Franklin Graham:
Leitura recomendada sobre palavrões:

29 de outubro de 2016

Janaína Paschoal: a Rússia vai invadir o Brasil em breve


Janaína Paschoal: a Rússia vai invadir o Brasil em breve

Julio Severo
Toda a mídia esquerdista brasileira está fazendo publicidade de declarações controversas da advogada Janaína Paschoal, uma das autoras do processo de impeachment de Dilma Rousseff.
Segundo a revista Exame, ligada à revista Veja, Janaína “está convicta de que a Rússia tem planos de atacar o Brasil em breve.”
Em seu Twitter, Janaina explicou seus motivos: “Com uma base militar na Venezuela, Putin está a um passo de atacar o Brasil.”
Leitores brasileiros se mostraram divertidos com o comentário da Janaína. Um leitor chamado Eder, debaixo de uma foto de Putin montado num urso, disse: “Parece que a Janaína Paschoal estava correta. Já vazou foto do Putin invadindo a Amazônia.”

O leitor Carlos, debaixo de uma foto de Putin montado numa água sobrevoando montanhas, disse: “A Janaina Paschoal estava certa, acabaram de avistar Putin sobrevoando as montanhas geladas de Teresina.”

Colocando de lado o tsunami de piadas que o comentário da Janaína provocou, o que aconteceria se de fato Putin invadisse o Brasil? Se fosse nos tempos da União Soviética, ele imporia o ateísmo comunista no Brasil. Todas as igrejas evangélicas seriam fechadas. Para imensa alegria de uns, não haveria mais uma Rede Record cheia da religiosidade pró-aborto do Edir Macedo. Os que não gostam do Agenor Duque explodiriam de felicidade e festejos. A União Soviética transformaria a Catedral da Aparecida em Museu Ateísta da Desaparecida, mostrando como a principal estátua de idolatria brasileira “sumiu,” sem explicar que ela foi simplesmente jogada no lixo.
Mas nem Macedo e muito menos os bispos da CNBB ficariam desempregados nem seriam enviados para campos de concentração, por seus relevantes serviços prestados ao socialismo no Brasil.
E antes que os calvinistas venham rir de Macedo perdendo a Record para comunistas, a Universidade Presbiteriana Mackenzie seria transformada em Universidade Soviética Mackenzie. Mas se um Putin comunista tentasse substituir professores mackenzistas cristãos por professores marxistas e pró-aborto, ele teria muito pouco trabalho: O Macenzie já está cheio deles! O mesmo se diga das universidades católicas.
Contudo, a atual Rússia de Putin é tudo, menos ateísta, como confirmou o líder conservador americano William J. Murray em entrevista exclusiva ao Blog Julio Severo. Moscou está hoje repleta de templos da Igreja Cristã Ortodoxa. As igrejas que haviam sido destruídas pelos comunistas foram reconstruídas. As que haviam sido transformadas em museus voltaram a ser igrejas. E muitas novas foram construídas.
Se Putin invadisse o Brasil, a Igreja Cristã Ortodoxa se tornaria a igreja oficial. Os templos católicos deixariam de ter estátuas, com padres casados e, pela primeira vez na História do Brasil, não haveria um Vaticano interferindo nos assuntos nacionais.
Para a Igreja Católica, seria um ganho enorme, pois ídolos e estátuas seriam abolidos, e os padres, bispos e cardeais poderiam finalmente casar. Mas para os pentecostais, seria grande perda, pois a espiritualidade ortodoxa não tem a vitalidade e liberdade do Espírito Santo existentes em muitas igrejas pentecostais e neopentecostais.
Um lado positivo de uma invasão de Putin seria que o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu visitaria o Brasil mais vezes. Só no ano passado, ele visitou a Rússia três vezes e Putin visitou Israel. O presidente de Israel aclamou Putin como “amigo de Israel.”
O lado mais positivo para os líderes pró-família é que Putin proibiria no Brasil a ideologia de gênero, a ditatura homossexual e mandaria de foguete o Jean Wyllys, o Luiz Mott e toda a sua turma para Marte.
Mesmo assim, eu não apoiaria tal invasão. Só uma Janaína Paschoal, que já se declarou publicamente como esquerdista, para fazer tal comentário sensacionalista e bizarro. Seja como for, ela tem motivos de sobra para temer uma invasão russa: As políticas anti-homossexualistas de Putin deixam todos os esquerdistas apavorados.
De acordo com a revista Exame, Janaína também disse: “Putin tem pouco mais de 60 anos, pode ser idoso, pela lei brasileira. Para fins políticos, é um adolescente. Imperialista, ninguém nega.”
Como exemplo de que Putin é imperialista, ela cita o caso da Ucrânia. Para ela, a Ucrânia é prova de que Putin deseja dominar o mundo. Mas para conservadores americanos, o caso da Ucrânia é exemplo de como os neocons americanos, especialmente George Soros, fizeram intervenções e intromissões para remover a Ucrânia, que por quase mil anos foi território russo, da esfera da Rússia e colocá-la na esfera ocidental, de modo que a Ucrânia, que ontem não tinha agenda gay, hoje tem.
Esquerdistas como Hillary Clinton têm a mesma visão da Janaína: eles estão do lado da atual Ucrânia controlada por neocons. O candidato presidencial americano Donald Trump, que tem batido de frente com os neocons, está cercado de assessores que ajudaram a Rússia a combater Soros na Ucrânia.
Para que Putin fosse minimamente imperialista, a Rússia teria de ter bases militares em pelo menos 20 países. Não tem. E uma das bases militares russas mais necessárias é na Armênia, o primeiro país cristão do mundo. Se a Rússia não oferecesse tal proteção militar aos armênios, que são cristãos ortodoxos como os russos, a Armênia seria destruída por vizinhos islâmicos como a Turquia, que tem em seu histórico o massacre de centenas de milhares de cristãos armênios.
Em contraste, o pastor americano Chuck Baldwin, em seu artigo “Os EUA são o Império Romano revivido?,” lamentou: “As tropas americanas estão presentes em 100 países estrangeiros. Com acerto, Charley Reese comentou que os EUA têm ‘um governo nacional que tem gradualmente se desenvolvido num império em permanente estado de guerra.’”
O comentário de Janaína dizendo que Putin vai invadir o Brasil se assemelha ao comentário de Olavo de Carvalho, que tempos atrás disse que Trump quer bombardear a Rússia, quando é exatamente o contrário: a esquerdista Hillary quer bombardear a Rússia, enquanto Trump denuncia que a Hillary não cessa de demonizar Putin.
Mas, neste mundo caído, o sensacionalismo e a mentira fazem muito mais sucesso do que a verdade.
Se Trump estivesse no Brasil, ele diria que não só a Hillary, mas também a Janaína e o Olavo não cessam de demonizar Putin. Para Trump, a maior ameaça é o terrorismo islâmico, não a Rússia.
Entretanto, para os propagandistas de demonizações sensacionalistas, a Rússia vai invadir o Brasil e Trump vai bombardear a Rússia. Agora, os olavetes e os adeptos da esquerdista Janaína podem se abraçar e proclamar: “Janaína e Olavo têm razão” — de serem chamados de lunáticos!
Leitura recomendada:

28 de outubro de 2016

Observatório da Direita, da entidade esquerdista People for the American Way, está atrás de Julio Severo, de novo…


Observatório da Direita, da entidade esquerdista People for the American Way, está atrás de Julio Severo, de novo…

Julio Severo
O Observatório da Direita (em inglês, Right Wing Watch), uma grande organização socialista dos EUA, me “expôs” nesta semana, mais uma vez, para sua audiência esquerdista nos EUA por opiniões politicamente incorretas.
O Observatório da Direita disse:
Julio Severo proclama que “A neocon Hillary e seu vice católico querem expurgar os Estados Unidos de conservadores cristãos reais… Os reais Pais Fundadores da América, inclusive o primeiro presidente americano George Washington, eram brancos, protestantes e conservadores. Eles não eram pró-aborto, pró-sodomia e neocons. Eles nunca apoiariam a neocon Hillary.”
O Observatório da Direita expôs, ao mesmo tempo, Tony Perkins e Matt Barber apenas por expressarem opiniões conservadoras odiadas pela esquerda dos EUA.
Outros líderes conservadores proeminentes frequentemente atacados pelo Observatório da Direita são: Scott Lively, Pat Robertson, Peter LaBarbera, Linda Harvey, Bill Federer, Michael Savage, Alex Jones, Joseph Farah, Jerry Falwell Jr., Jane Chastain, Erik Rush, Bryan Fischer, Michele Bachmann, James Dobson, Dinesh D’Souza, Barbara Simpson, Mat Staver e muitos outros.
Esta não é a primeira vez que o Observatório da Direita me expôs. No início deste mês o Observatório da Direita disse:
O site BarbWire de Matt Barber publicou um artigo na segunda-feira escrito pelo colaborador frequente Julio Severo, que ficou alarmado com uma “reunião da comunidade bissexual” na Casa Branca no mês passado e, de forma principal, com o discurso de um índio sioux que se descreve como bissexual que começou sua apresentação invocando “o Grande Espírito, Wakan Tanka, para guiar nossas palavras e pensamentos de modo que falemos com verdade e força.”
Numa coluna intitulada “Bisexual Indian Invokes Demons At White House” (Índio bissexual invoca demônios na Casa Branca), Severo escreveu que o homem havia invocado “espíritos homossexuais,” assim infestando a Casa Branca de demônios que só podem ser expulsos por “pessoas que conhecem e usam a autoridade do nome de Jesus.”
“Uma cultura homossexual é uma cultura de possessão demoníaca,” escreveu ele. “A Casa Branca virou morada de demônios?”
O proeminente site ateu americano Patheos também criticou minha perspectiva sobre demônios. Eles não acreditam em nenhuma atividade de Deus e demônios neste mundo. Num artigo intitulado “The White House Must Be Exorcised Of Bisexual Native American Demons, Says Christian Writer” (A Casa Branca Precisa de Exorcismo de Demônios Indígenas Bissexuais, Diz Escritor Cristão), Patheos disse, “Severo descreveu os espíritos/demônios gays como sendo ‘invisíveis, letais e destrutivos’ — o que é fascinante considerando que, até onde sabemos, ninguém nunca foi de fato assassinado por um…”
O artigo do Patheos gerou 110 comentários de ateus furiosos contra Severo.
Em outro artigo ontem, o Observatório da Direita disse: “Julio Severo avisa que se ‘Hillary for eleita, todos nos Estados Unidos e no mundo pagarão caro pelo agressivo ativismo abortista e homossexualista dela.’” (O artigo em português é este: “Por que os evangélicos preferem Donald Trump a Hillary Clinton?”)
O Observatório da Direita expôs, ao mesmo tempo, a Universidade Liberdade, Jerry Falwell Jr., Jane Chastain, Erik Rush, Bryan Fischer, Paula White, Michele Bachmann, Samuel Rodriguez, James Dobson e Mat Staver apenas por expressarem opiniões conservadoras odiadas pela esquerda dos EUA.
Eles também me “expuseram” em 28 de setembro de 2015:
Finalmente, Julio Severo não está contente com a nomeação de Eric Fanning como ministro do Exército dos EUA: “Tenho certeza de que no caso de Obama e de Fanning, o Pai dos Estados Unidos aprovaria sentença neles e trataria, com nojo e ódio, a sodomia e defesa da sodomia deles como um crime infame. No mínimo, Obama seria expulso da presidência dos EUA e Fanning seria expulso do Exército, ambos com desonra, para nunca mais voltarem. Ambos cometeram traição contra o Pai dos Estados Unidos.”
O texto completo em português está aqui: Obama nomeia homossexual assumido para liderar Exército dos EUA
Eles também me “expuseram” em 30 de junho de 2015:
Julio Severo avisa que “A homossexualidade trouxe destruição para Sodoma, e trará destruição para qualquer cidade ou superpotência que a adote. Um remanescente de cristãos fiéis a Deus precisa alertar acerca do perigo da sodomia e apoiar esforços para proteger crianças e suas famílias contra isso.”
Meu texto completo em português está aqui: “Casamento” homossexual dos EUA afetará outros países
Em 18 de junho, o Observatório da Direita de novo me “expôs” dizendo:
Finalmente, Julio Severo quer ver Scott Lively nomeado “como embaixador especial dos Estados Unidos para os Direitos Humanos das Crianças e Sua Proteção contra a Agenda LGBT.”
De novo, o Observatório da Direita leu minha opinião politicamente incorreta no Barbwire.
O que o Observatório da Direita, cujo dono é a entidade People for the American Way, quer?
De acordo com o WND, um dos maiores sites conservadores do mundo, People for the American Way (PFAW) é “uma organização socialista ateísta que, por meio de publicações como seu ‘Right Wing Watch’ [Observatório da Direita] se dedica à destruição dos conservadores em geral.” 
De acordo com seu site, o Observatório da Direita tem uma missão especial de atacar conservadores que se opõem à agenda gay, ao aborto e à ideologia muçulmana.
O Observatório da Direita “expôs” minha opinião em outras vezes também, e eu respondi aqui: Crítica esquerdista perturbada de People for the American Way contra um conservador brasileiro
Qual é a intenção deles?
Em 2011, o WND havia feito uma reportagem (a versão em português está neste link) sobre a monitoração do Ministério de Segurança Nacional dos EUA contra meu blog. Qual era a intenção deles?
No mesmo ano, o WND fez uma reportagem, que se tornou manchete (a versão em português está neste link), sobre o PayPal cortando minha conta depois da campanha de uma organização homossexual nos EUA.
Por que o Golias (Observatório da Direita, Ministério de Segurança Nacional dos EUA, etc.) monitora e se preocupa com um pequeno Davi?
Leitura recomendada:

27 de outubro de 2016

Hillary provocará a Terceira Guerra Mundial ao confrontar Putin por causa da Síria, avisa Trump ao pedir que EUA lutem contra o ISIS em vez de Assad


Hillary provocará a Terceira Guerra Mundial ao confrontar Putin por causa da Síria, avisa Trump ao pedir que EUA lutem contra o ISIS em vez de Assad

Hannah Al-othman para o Mailonline
Donald Trump avisou que o plano de Hillary Clinton para a Síria “levará à Terceira Guerra Mundial,” por causa do potencial para conflito com forças militares da Rússia que possui armas nucleares.
Numa entrevista sobre política externa, Trump disse que derrotar o ISIS é uma prioridade mais elevada do que persuadir o presidente sírio Bashar al-Assad a abdicar — apesar da política oficial dos EUA que se opõe tanto a Assad quanto ao Estado Islâmico.
Trump questionou como Hillary negociaria com Vladimir Putin depois de demonizá-lo, indicando que ela pode arrastar os EUA para um grande conflito militar.
Hillary Clinton vem ganhando o apoio de muitos conservadores, que apoiam sua postura de política externa. Eles sugerem que se eleita presidente em novembro, ela agravará as tensões com a Rússia e adotará uma postura de ataque no Oriente Médio.
Hillary está pedindo o estabelecimento de uma zona de exclusão aérea na Síria e “zonas seguras” em terra para proteger não combatentes. Alguns analistas temem que proteger essas zonas poderia levar os Estados Unidos a um conflito direto com jatos de guerra russos.
“O que precisamos fazer é focar no ISIS. Não deveríamos focar na Síria,” Trump disse ao serviço noticioso internacional Reuters enquanto jantava ovos fritos e linguiça em seu resort de golfe Trump National Doral.
“Os americanos vão terminar na Terceira Guerra Mundial por causa da Síria se derem atenção a Hillary Clinton. Os EUA não estão mais lutando contra a Síria, eles estão lutando contra a Síria, a Rússia e o Irã. A Rússia é um país nuclear, mas um país onde as armas nucleares funcionam, em oposição a outros países que só falam,” ele disse.
Trump disse que Assad é muito mais forte agora do que ele era três anos atrás e disse que fazer Assad deixar o poder é menos importante do que derrotar o Estado Islâmico.
“Assad é menos importante para mim do que o ISIS,” ele disse.
Ele também criticou o modo como Hillary lidou com as relações entre EUA e Rússia quando ela era secretária de Estado e disse que as críticas duras dela contra Putin levantaram questionamentos sobre “como ela vai voltar a negociar com esse homem que ela tem demonizado tanto” se ela ganhar a presidência.
Leitura recomendada:

26 de outubro de 2016

Financial Times: Evangélicos do Brasil estão empurrando a política para a Direita


Financial Times: Evangélicos do Brasil estão empurrando a política para a Direita

Julio Severo
Uma recente reportagem do jornal britânico Financial Times (FT) disse com precisão que os evangélicos do Brasil estão empurrando a política para a Direita, mas usou um exemplo impreciso: Marcelo Crivella.
O FT disse: “Um missionário evangélico na África por vários anos, o senador brasileiro Marcelo Crivella certa vez descreveu católicos e outras denominações cristãs como demoníacos e condenou a homossexualidade como um mal terrível. Tais opiniões — destacadas em seu livro que documenta seu tempo na África — provocariam choque entre os políticos. Mas o sr. Crivella, um cantor gospel da Igreja Universal do Brasil, é o favorito decisivo para se tornar o prefeito do Rio de Janeiro, uma das cidades mais racial e socialmente diversas do continente americano.”
O FT então diz: “Sua vitória imensa na eleição do segundo turno em 30 de outubro reflete a emergência de uma bancada evangélica que está levando a política brasileira para a Direita, dizem os analistas, e com certeza vai ser mais poderosa e influente.”
Ainda que Crivella esteja sendo ajudado pela emergência de uma poderosa Direita brasileira energizada pelos evangélicos e seu ativismo pró-família, ele e sua igreja têm posturas que mal se assemelham a posturas conservadoras ou direitistas. Na tribuna do Senado Federal em 2007, o então Senador Crivella disse ousadamente: “O Evangelho é a cartilha mais comunista que existe.”
Em ideias comunistas, ele não representa a maioria dos evangélicos brasileiros, que são conservadores, ainda que a maioria dos bispos católicos concordaria com ele. E a Direita evangélica brasileira não o representa.
Ele é parente do Bispo Edir Macedo, fundador da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD). Macedo tem sido notório por sua oposição às causas pró-vida, aos conservadores e ao dom de profecia. Em sua biografia oficial de 2007, ele disse: “Sou a favor do aborto, sim. A Bíblia também é… A mulher precisa ter o direito de escolher.”
O histórico de Crivella inclui seu papel como bispo da IURD.
Quando o governo socialista da presidente impichada Dilma Rousseff queria aprovar uma lei “anti-homofobia” chamada PLC 122 que colocaria em perigo a liberdade religiosa no Brasil, Crivella não sabia se devia ficar do lado de sua aliada socialista Dilma ou dos evangélicos conservadores.
Mesmo assim, o Financial Times, fingindo imparcialidade, apresentou a opinião oposta de Jean Wyllys, o único membro assumidamente homossexual do Congresso brasileiro que é um legislador do partido esquerdista Socialismo e Liberdade. Na reportagem do FT, Wyllys, que apoia a doutrinação homossexual de crianças e a aniquilação delas por meio do aborto legal, é citado como dizendo: “Não é suficiente que eles evangelizem — eles também querem influenciar as leis.”
Na opinião de Wyllys, só seu ativismo homossexual deveria dirigir as leis. Os cristãos deveriam ser banidos.
O FT reconhece que a bancada evangélica, representada especialmente pela Frente Parlamentar Evangélica, é um poder influente no Congresso brasileiro e que “desempenhou um papel chave no impeachment da ex-presidente esquerdista Dilma Rousseff.” Numa reportagem de abril intitulada “Impeachment de Dilma mostra crescente poder evangélico no Brasil,” a CBN tinha também reconhecido isso.
O FT diz que na Câmara dos Deputados, que tem 513 lugares, os políticos evangélicos formam a “bancada evangélica,” que representa um total de 199 lugares.
O FT disse que o próprio impeachment foi liderado por um dos mais proeminentes líderes evangélicos do Congresso, Eduardo Cunha, que era então presidente da Câmara, anteriormente conhecido por defender projetos de lei contra a agenda gay e o aborto. Contudo, o FT recorda que ele foi preso em relação a um escândalo de corrupção na Petrobras — um escândalo que engoliu os socialistas brasileiros mais poderosos que estavam envolvidos em casos de corrupções maiores.
“O surgimento de políticos evangélicos reflete em parte as mudanças demográficas no Brasil. Enquanto o Brasil ainda abriga a maior população católica do mundo, o último recenseamento em 2010 mostrou que as pessoas que vão a igrejas evangélicas subiram de 15,4 por cento da população na década anterior para 22,2 por cento,” disse o FT.
A revista americana “Christian Century” (Século Cristão) parece concordar com o FT ao dizer: “Alguns dos políticos mais enérgicos a favor do impeachment foram líderes evangélicos. Em 2010, 44 milhões de brasileiros, ou cerca de 22 por cento da população inteira, se identificavam como evangélicos ou protestantes, e esse crescimento está levando à influência política. Os neopentecostais estão liderando esse crescimento acelerado e estão contribuindo de modo incomparável para o desenvolvimento de uma ideologia política evangélica.”
“O crescimento deles está causando algumas preocupações,” disse o site noticioso islâmico Al Jazeera.
“O crescimento do Cristianismo evangélico está ocorrendo sem uma discussão profunda dos valores consagrados em nosso caráter histórico,” disse Rogerio Baptistini, da Universidade Presbiteriana Mackenzie, uma instituição calvinista mista esquerdista e conservadora que não aceita o crescimento neopentecostal.
“Somos uma sociedade aberta e tolerante, mas esse crescimento súbito ameaça a racionalidade,” acrescentou Baptistini, de acordo com Al Jazeera.
Se Marcelo Crivella dependesse do comunismo, que ele louvou, para ser o próximo prefeito do Rio de Janeiro, ele com certeza perderia votos da maioria dos evangélicos. Mas ele está enfrentando um oponente socialista mais radical. O FT diz: “No Rio de Janeiro, mais bem conhecido por suas praias lotadas de banhistas com pouquíssima roupa do que seu passado português profundamente católico, as pesquisas de opinião públicas indicam que o sr. Crivella está liderando com 46 por cento de apoio, em comparação com 29 por cento para seu rival, o candidato esquerdista Marcelo Freixo.”
O FT disse: “O sr. Crivella vem buscando se distanciar de suas declarações mais radicais. Em seu livro, publicado inicialmente em 1999, o sr. Crivella escreveu que… dava para melhorar a saúde pública expulsando os demônios que causaram as doenças. Ele disse que as religiões africanas eram baseadas em ‘maus espíritos,’ uma afirmação polêmica no Brasil, onde metade da população tem algum sangue africano.”
Ainda que metade da população brasileira tenha algum sangue africano, o FT deduz que existe uma obrigação automática de retratar e rotular negros como membros de religiões africanas. A maioria das igrejas pentecostais no Brasil, inclusive as Assembleias de Deus, que é a maior denominação evangélica brasileira, têm entre membros e líderes muitos que são negros e pessoas com sangue africano.
“O sr. Crivella tem pedido muitas desculpas pelo que ele escreveu, dizendo que o livro era a obra de um jovem missionário, ‘cujo zelo imaturo o levou a cometer esse erro lamentável.’ O livro foi publicado quando ele tinha 42 anos. ‘Amo os católicos, os espíritas, os evangélicos, todos. Se eu tiver alguma vez causado ofensa, peço perdão. O mesmo em relação à homossexualidade,’ ele disse,” de acordo com o Financial Times.
Entretanto, Crivella nunca pediu desculpas por louvar o comunismo, ainda que sua candidatura esteja sendo impulsionada por evangélicos conservadores que odeiam o comunismo.
A emergência de um poderoso conservadorismo evangélico empurrará Crivella para a Direita?
Com informações do Financial Times, Christian Century e Al Jazeera.
Leitura recomendada: