11 de abril de 2017

Hank Hanegraaff, o maior apologeta calvinista americano contra a Teologia da Prosperidade, abandona o calvinismo


Hank Hanegraaff, o maior apologeta calvinista americano contra a Teologia da Prosperidade, abandona o calvinismo

Julio Severo
Leitura adicional: Hank Hanegraaff e confusões
Conhecido como o “Homem das Respostas da Bíblia,” Hank Hanegraaff foi recebido nesta semana, por meio de crisma, na Igreja Ortodoxa. Originalmente um presbiteriano reformado, ele se tornou famoso no Christian Research Institute (CRI), o ministério protestante conservador apologético contra seitas que Walter Martin fundou em 1960. O CRI significa Instituto Cristão de Pesquisas e deu origem no Brasil ao Instituto Cristão de Pesquisas.
Enquanto o fundador do CRI focava em heresias reais, depois da morte de Martin Hanegraaff se tornou presidente do CRI e expandiu seu foco para heresias percebidas, especialmente entre os pentecostais, renovados, neopentecostais e carismáticos. Diferentemente de Martin, a Teologia da Prosperidade era a atenção negativa especial de Hanegraaff.
Em contraste, sua atenção positiva especial era o calvinismo. O CRI publicou o artigo “Por que Sou Calvinista,” que disse: “Não tenho medo de ser chamado de calvinista. Li as Institutas múltiplas vezes, a maioria dos comentários de Calvino e meus colegas de seminário me escolheram como ‘Clone de Calvino.’ Dou graças a Deus por Calvino.”
Hanegraaff transformou o CRI numa máquina de guerra contra a Teologia da Prosperidade. Ele se tornou uma referência principal contra essa teologia. Até o Movimento Lausanne, do Congresso Lausanne de Evangelização Mundial, o citou no artigo “Teologia da Prosperidade: Uma Crítica do Modo como a Bíblia é Usada,” dizendo que “Hank Hanegraaff traçou as raízes de muitos desses que ensinam prosperidade e fé até às seitas metafísicas.”
A reunião mais importante realizada pelo Movimento Lausanne contra a Teologia da Prosperidade aconteceu no Brasil em 2014, e foi liderada pelo Rev. Valdir Steuernagel, um pastor luterano brasileiro que é militante da Teologia da Missão Integral (TMI), que é a versão protestante da Teologia da Libertação.
A denominação de Steuernagel no Brasil está muito envolvida na Teologia da Libertação, Teologia Gay e TMI, mas a preocupação dele é a Teologia da Prosperidade, que não está presente na igreja dele nem trouxe a Teologia Gay para sua denominação.
No Brasil, os marxistas e os militantes da TMI odeiam a Teologia da Prosperidade e a filósofa marxista Marilena Chaui disse que essa teologia é o inimigo número 1 da revolução socialista no Brasil. Não entendo essa teologia completamente, mas vejo positivamente que ela é uma resistência à revolução socialista no Brasil.
Na lista de heresias do CRI está o “movimento pentecostal, renovado, neopentecostal e carismático.” Hanegraaff chega a criticar John Wimber por causa de sinais e prodígios. Wimber era calvinista.
Que tipo de calvinista era Hanegraaff se ele não conseguia aceitar o calvinista Wimber fazendo sinais e prodígios no nome de Jesus? Será que sinais e prodígios são contra a Bíblia? Se são, Jesus e seus apóstolos estavam contra a Bíblia.
Mas Hanegraaff não parece ter dificuldade para apoiar ativistas protestantes que lutam contra Israel e promovem a causa palestina.
Hanegraaff era fiel e sólido em sua fé calvinista. O que foi que aconteceu? Não sei, mas no Brasil muitos calvinistas cessacionistas que dizem que têm um “ministério apologético” focam na Teologia da Prosperidade. O que é interessante é que essa teologia não afeta nenhuma igreja calvinista no Brasil, na Europa e nos EUA. Mesmo assim, essas igrejas são vítimas do liberalismo teológico trazido principalmente pelo Evangelho Social (muito semelhante à TMI), e o resultado é: apoio ao aborto, sodomia, posturas contra Israel, etc.
A Teologia da Prosperidade tem influência zero nesses problemas liberais em igrejas calvinistas. Então é de surpreender que ministérios apologéticos calvinistas foquem nessa teologia e em grande parte descartem a TMI, que afeta essas igrejas.
Hanegraaff parece ter se esgotado defendendo o calvinismo e combatendo o movimento pentecostal, renovado, carismático e neopentecostal. Se ele queria tradicionalismo, de fato uma igreja presbiteriana é só meio caminho para isso. A Igreja Católica, ou a Igreja Ortodoxa, é o único caminho para aqueles que querem adotar o tradicionalismo total. Essa foi a escolha de Hanegraaff.
Hank Hanegraaff sendo recebido na Igreja Ortodoxa
Não me entenda mal. Aprecio o calvinismo de Wimber. Mas um Cristianismo sem sinais e prodígios deixa seus adeptos confusos e secos. Esse foi o caso de Hanegraaff.
Hanegraaff transformou o Instituto Cristão de Pesquisas dos EUA numa máquina de guerra contra os pentecostais, carismáticos, renovados e neopentecostais porque ele era calvinista.
Hanegraaff transformou o Instituto Cristão de Pesquisas dos EUA numa máquina de guerra contra a Teologia da Prosperidade porque ele era calvinista.
E agora que ele abandonou o calvinismo?
Para ele, o calvinismo estava afinal das contas errado?
Leitura recomendada:

17 comentários :

Jorge Santos disse...

Aquele que não crê na literalidade de Gênesis é calvinista? Novidade...

Izabel disse...


Um Cristianismo sem sinais e prodígios deixa seus adeptos confusos e secos. Esse foi o caso de Hanegraaff.
Trecho perfeito.

Sttafilo disse...

Quem está familiarizado com reais assuntos de infiltrações nas igrejas para destruí-las por dentro, talvez cogite que Hanegraaff, vivia de causar dissensões doutrinarias entre irmão de fé diferente por excelência, que mérito há nisso quando o envolvimento de guerra ideológica não está sob o espírito de Deus? Talvez isso explique sua saída da doutrina que nunca acreditou.

Mauricio B. de Freitas disse...

O que vemos aqui é que ele não somente abandonou o calvinismo, mas também o protestantismo. A Igreja Ortodoxa não é protestante.

João Emiliano Martins Neto disse...

O Calvinismo é um excelente point d'otique teológico, pois destaca a soberania divina que é evidente que deve sempre estar diante dos olhos de todo o cristão consistente, mas é evidente que o radicalismo contra a contemporaneidade dos dons espirituais, a perda da fé em sinais, como diz São João em seu evangelho, o ceticismo ou ao menos você nunca mais insistir junto a Deus por prodígios e milagres e o homem não pedir cura para o corpo e para a mente, além de prosperidade financeira e material, tais atitudes evidentemente que céticas ou ao menos preguiçosas, apenas propiciam o fanatismo político, a desgraça de acabar na breguice orgulhosa extremista de esquerda de confiar no homem e de ainda dizer que tal atitude é missão integral, quando é uma missão a social e política humanamente limitada e até mesmo miserável por si mesma.

Excelente e inspirado artigo, Júlio Severo. Que Deus vos abençoe.

João Emiliano Martins Neto disse...

Severo,

Se me permite só uma discordância, acerca deste seu inspiradíssimo post, supra, é que não haveria tradicionalista total algum em se ser membro de alguma das dioceses cismáticas auto-intituladas ortodoxas, porque tanto quanto como ocorre na seita romano-católica papista, tais dioceses seguem cegamente meros costumes e folclores humanos que foram progressivamente soterrando a pura Palavra Deus que no livro de Provérbios condena como mentiroso quem acrescenta coisas à mesma Palavra como se todo o conselho divino não estivesse nas Escrituras, como bem diz a Confissão de Fé de Westminster.

Quem quer ser tradicionalista total eu sugiro que seja batista, porque é evidente que o batismo bíblico é o de adultos ou credobatista; que tal pessoa de boa vontade seja, outrossim, calvinista, porque a soberania e presidência absoluta de Deus sobre tudo e todos é auto-evidente, sem embargo da liberdade humana, da mesma forma como andamos com duas pernas: a direita e a esquerda; e que seja, por fim, tal pessoa, simpatizante do Pentecostalismo, porque é evidente que São Paulo diz para que se não proíba que se fale em línguas, por exemplo, ainda que seja problemática a exigência pentecostal clássica assembleiana de que se seja necessário que se fale em línguas como evidência de que uma pessoa foi batizada com ou no Espírito Santo, a segunda pessoa da Santíssima Trindade, pois em Atos 8.14-17 ARA, quando São Pedro e São João foram batizar os mestiços e desprezados samaritanos, eles, ok, receberam o Espírito, foram batizados com ou na mesma pessoa divina, todavia, não falaram em línguas.

Basicamente, então, eis, supra, a minha sugestão ou sugestões para quem queira ser fiel à tradição bíblica, tradição que vai de Gênesis a Apocalipse, sendo encerrada plenariamente tal tradição em Apocalipse.


ABRAÇOS aos irmãos queridos!

Jorge Santos disse...

Os fundamentalistas e, salvo engano, os regulares, também não são protestantes e são extremamente bíblicos, conservadores e piedosos.

Jorge Santos disse...

Quem crê na eleição, na salvação, na volta de Cristo, na vida eterna, no novo nascimento etc. crê em milagres. Simples.

Alex Santos disse...

Hank Hanegraaff é arminiano. Ele afirma isso no seu livro a ressurreição de Cristo onde ele defende o livre arbítrio publicado pelo CPAD e em várias perguntas do seu programa ele sempre defendeu o livre arbítrio http://evangelicalarminians.org/category/arminian-authors/hanegraaff-hank/

Alex Santos disse...

Uma mãe pergunta pro hank em um dos programas como ela deve conversar com o filho dela que virou calvinista e o Hank comenta sobre a responsabilidade humana e o livre arbitrio onde ele vai explicando o que ele acredita e ele afirma "eu não sou calvinista" aos 9:30. No próprio site dele ele fala que ele tem vários materiais sobre arminianismo e calvinismo e recomenda que fica a cargo da pessoa reter aquilo que é bom. Ele nunca foi calvinista. O pai dele era calvinista, mas ele nunca foi.
http://streaming.integrationworks.com:3000/archive/BAM20160707.mp3

Alex Santos disse...

Outro programa onde ele afirma que ele é não calvinista respondendo uma pergunta sobre qual sistema teológico é o correto e a partir de 22:43 ele responde 'eu não sou calvinita', ele chega até afirmar que não é arminiano também, mesmo defendendo todas as posições arminianas. A partir dos 22:43 .
http://www.equip.org/broadcast/questions-and-answers-with-hank-498/#

Julio Severo disse...

Alex, o histórico da vida inteira do Hanegraaff é calvinista, tendo inclusive frequentado uma das igrejas mais calvinistas dos EUA, a Coral Ridge Presbyterian Church, do falecido Rev. D. James Kennedy. Quando ele visitou o Brasil anos atrás, ele se identificou como calvinista, conforme informação que obtive do diretor de um ministério apologético no Brasil. O material que você apresentou, o qual é de anos mais recentes, sem dúvida mostra não o histórico dele (que abrange décadas de identificação como presbiteriano reformado), mas o processo de uma mudança, pois ele claramente nega ser calvinista e arminiano. Em matéria de hoje da revista Charisma (http://www.charismanews.com/culture/64233-bible-answer-man-hank-hanegraaff-leaves-evangelical-church), ele confessa que em anos recentes ele já estava, sem que o público ficasse sabendo, frequentando uma Igreja Ortodoxa HAVIA LONGO TEMPO — com certeza no período desse material mencionado por você. Ele não se tornou arminiano, como alguns, inclusive até mesmo você, querem forçar. Ele só estava desabraçando o calvinismo por estar abraçando a Igreja Ortodoxa. O período em que ele se investiu contra o movimento pentecostal e a Teologia da Prosperidade era a fase calvinista dele, que abrangeu a maior parte da vida dele. Esse é o ponto importante para mim.

Mas não pense que ele é o único calvinista (ou presbiteriano reformado, como você preferir) que abandonou décadas de presbiterianismo (ou calvinismo) em favor de tradições católicas ou ortodoxas. O Rev. Scott Hahn, que era teólogo presbiteriano, é hoje teólogo católico. Há outros exemplos presbiterianos também.

Alex Santos disse...

Como ele mesmo comentou em um dos vídeos , fica a cargo da pessoa reter o que é bom e ele considera que não era nem calvinista e nem arminiano. 'Nas coisas essenciais, a unidade; nas coisas não essenciais, a liberdade; em todas as coisas, a caridade.(Santo Agostinho)'.
Eu faço parte de uma congregação da igreja batista carismática mas não sou carismático.Pode haver divergência de pensamentos , onde não há é onde nascem as seitas .

Julio Severo disse...

Entendo, Alex. Seja como for, o Hank Hanegraaff não abandonou o calvinismo agora. Ele fez isso anos atrás. Ele não começou a frequentar a Igreja Ortodoxa agora. Ele fez isso anos atrás. A única coisa nova é o anúncio formal de que agora ele é cristão ortodoxo.

Julio Severo disse...

Alex, se você é ou não membro de uma igreja batista carismática, é impossível de saber, pois seu perfil aqui tem um suposto nome (Alex Santos) que não remete a nenhuma identificação e transparência. Nem eu nem nenhum leitor aqui tem condições de saber minimamente nada sobre você!

Cicero disse...

Caro João, mas em At 8 houve algum sinal evidente do batismo no Espirito, pois o mágico Simao se surpreendeu com tal poder e desejou barganhar este dom com Pedro. (versos 18, 19).
Srs.

Vitor Hugo Piangers disse...

Pelo menos a Igreja Ortodoxa não é uma cópia disfarçada dá Igreja Católica como é a Igreja Protestante. Não tem as mesmas tradições, feriados e teologia.