9 de julho de 2017

“Os EUA têm uma visão distorcida do mundo,” avisou o papa contra a “aliança perigosa” de Trump com a Rússia, a qual ele teme “prejudicará os imigrantes islâmicos e os pobres”


“Os EUA têm uma visão distorcida do mundo,” avisou o papa contra a “aliança perigosa” de Trump com a Rússia, a qual ele teme “prejudicará os imigrantes islâmicos e os pobres”

Reuters e Wires
O Papa Francisco alertou os líderes mundiais na cúpula do G20 contra a formação de “alianças perigosas” que podem prejudicar os imigrantes muçulmanos e os pobres.
Francisco disse: “Estou preocupado com alianças muito perigosas entre potências que têm uma visão distorcida do mundo: Os EUA e a Rússia, a China e a Coreia do Norte, Putin e Assad na guerra da Síria” numa entrevista ao jornal italiano La Repubblica.
Ele acrescentou que a cúpula em Hamburgo, Alemanha, o preocupa, e aconselhou a Europa a não fechar suas fronteiras para os imigrantes muçulmanos.
Francisco, o primeiro papa não-europeu em 1.300 anos, disse: “Nosso problema principal e infelizmente crescente no mundo hoje são os pobres, os fracos e os excluídos, o que inclui os imigrantes [muçulmanos].”
“É por isso que o G20 me preocupa: Atinge principalmente os imigrantes,” ele acrescentou.
Ele também chamou a Europa de o “continente mais rico do mundo” e exortou-a a não fechar suas fronteiras.
Enquanto os líderes da cúpula concordaram em apoiar o livre comércio e combater o terrorismo durante as reuniões na sexta-feira e no sábado, eles não conseguiram chegar a um consenso sobre a imigração [islâmica].
O papa argentino de 79 anos tem sido explícito sobre seu apoio aos imigrantes islâmicos, e exortou a Europa a não vê-los como criminosos.
Francisco também ficou famoso ao criticar fortemente Trump durante a campanha presidencial, dizendo que sua proposta de construir um muro ao longo da fronteira sul dos EUA mostrava que “ele não era cristão.”
Leitura recomendada:

2 comentários :

Unknown disse...

Esse "vigário de Cristo" é um completo vigarista.

Marcelo Victor disse...

O alvo dele não é a salvação das almas, mas a salvação da idolatria romana, um império carcomido e obsoleto.